quarta-feira, 6 de junho de 2018

Pesquisa encomendada pelo PT é uma ducha de água gelada nas pretensões do PSB em Pernambuco


Se o objetivo dos petistas que querem a aliança com o PSB em Pernambuco era usar uma pesquisa para mostrar a inviabilidade de Marília Arraes (PT) como candidata, deu tudo errado. Apesar de não estar registrada e não poder ser divulgada, a coluna teve acesso aos dados. A petista nunca esteve tão forte. No cenário principal, ela chega a empatar com Armando Monteiro (PTB), jogando Paulo Câmara (PSB) para terceiro. O potencial de crescimento de Marília e de Armando também é maior que o de Paulo. O levantamento, se feito com o objetivo de mostrar o PSB como opção para o PT, é a melhor definição para a expressão “tiro pela culatra”.

A pesquisa mostra ainda que a maior parte dos entrevistados não quer aliança com o PSB e que existe rejeição aos socialistas por causa do impeachment. Os questionamentos já feitos pelos apoiadores de Marília estão respondidos, com apoio em números, comprovando incoerências. Não significa que acabou a disputa interna, significa que acabaram os argumentos técnicos contra a candidata.
Agora, o PT aceita Marília ou admite que é igual aos outros, passando por cima da maioria em nome de interesses de cúpula.

Alta rejeição ao governo de Câmara

Na pesquisa encomendada pelo PT, a rejeição ao governo de Paulo Câmara (PSB) é muito alta. Saúde e segurança são apontados como problemas e culminam em uma insatisfação que só não é maior do que a do governo de Michel Temer (MDB). A maioria, inclusive, acredita que Pernambuco vai ficar pior depois de Paulo.

Por Pernambuco Notícias


0 comentários:

Postar um comentário