terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Rio São Francisco é repovoado pela Codevasf com peixes nativos na Festa do Bom Jesus dos Navegantes de Penedo

Espécies foram produzidas no Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Itiúba, situado em Porto Real do Colégio, em Alagoas (Foto: Divulgação)

As águas do Baixo São Francisco se encheram de vida em mais um peixamento realizado pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) nesse domingo (8) de janeiro, durante a secular Festa de Bom Jesus dos Navegantes de Penedo (AL). Percorrendo três trechos do rio São Francisco entre as cidades de Penedo (AL) e Neópolis (SE), o peixamento inseriu espécies nativas da bacia hidrográfica que há décadas estavam desaparecidas das águas do Baixo São Francisco, a exemplo da matrinxã e da curimatã-pioa. Num segundo momento, a população pode participar do repovoamento do São Francisco soltando peixes que estavam acondicionados em sacos plásticos.

O peixamento contou com a participação de famílias de moradores de Penedo e de turistas que prestigiaram a programação da Festa de Bom Jesus dos Navegantes de Penedo. Uma delas é a família de Ana Cristina e Antônio Emanuel Tavares e os filhos Marcos Antônio e Isabela. Natural de Penedo, após o casamento, eles foram morar em Aracaju, mas todos os anos retornam à cidade natal, no segundo domingo de janeiro, para prestigiar a festa, que este ano proporcionou a participação no peixamento realizado pela Codevasf.

“Essa iniciativa é importante para manutenção das espécies. Meu pai foi pescador por muitos e muitos anos e sei que há falta de peixes. Por isso, esse peixamento é importante especialmente para eles. Sem o rio e sem o peixe, o que será da população”, afirmou Ana Cristina.

Outra visitante de Penedo durante a festa que também prestigiou o peixamento foi Maria José Santos de Maceió. Todos os anos, a aposentada prestigia o domingo de Bom Jesus dos Navegantes e participa do tradicional repovoamento das águas do Baixo São Francisco com espécies nativas. “Todos os anos venho à festa e participo do peixamento, que é muito importante para o sustento dos pescadores e para os moradores de Penedo”, comemorou.

Para realização dos peixamentos, que integram as ações de revitalização da bacia do rio São Francisco, a Codevasf conta com o trabalho científico e tecnológico do Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Itiúba, situado em Porto Real do Colégio (AL). No centro, são produzidas as espécies nativas utilizadas no repovoamento da bacia hidrográfica, inclusive aquelas já desaparecidas no Baixo São Francisco, como a matrinxã e a curimatã-pioa.

“Todos os anos a Codevasf realiza esse trabalho aqui na Festa de Bom Jesus dos Navegantes e insere em torno de 500 mil alevinos de espécies nativas, que são reproduzidas lá no Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Itiúba, onde temos uma estrutura de 18 hectares com viveiros e laboratórios e uma equipe multidisciplinar com engenheiros de pesca, médico veterinário, biólogo, entre outros”, explicou o engenheiro de pesca da Codevasf Paulo Pantoja, chefe do Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Itiúba.

Ele também destacou que o centro tecnológico e científico em aquicultura e recursos pesqueiros está, neste momento, focado no domínio da tecnologia de reprodução artificial de espécies nativas da bacia hidrográfica do rio São Francisco já desaparecidas da região do Baixo São Francisco, a exemplo do surubim e do pirá, sendo o último considerado peixe símbolo do rio São Francisco.

“A Codevasf tem feito um esforço imenso em fazer um plantel de reprodutores para reprodução e repovoamento da bacia do São Francisco com essas espécies, como a matrinxã que ficou décadas sem ser capturada, a pacamã, curimatã-pioa, o surubim e, ultimamente, estamos trabalhando com o pirá, peixe símbolo do rio São Francisco, que já temos um pequeno plantel com quinze animais. Já fizemos a primeira desova do pirá e iniciaremos a produção de alevinos. Em breve, já poderemos realizar o primeiro peixamento com o peixe símbolo do São Francisco e que está extinto no Baixo São Francisco”, revelou o engenheiro de pesca Paulo Pantoja.

O peixamento na Festa de Bom Jesus dos Navegantes de Penedo integra a programação oficial do evento e foi realizado a partir de parceria entre a Codevasf com a Prefeitura Municipal de Penedo. O prefeito de Penedo Marcius Beltrão foi representado no evento pelo secretário municipal de Agricultura Ricardo Araújo. Já o superintendente regional da Codevasf em Alagoas, Antônio Nélson Oliveira de Azevedo, foi representado no evento pelo chefe do centro integrado, o engenheiro de pesca Paulo Pantoja.

Codevasf:


0 comentários:

Postar um comentário