terça-feira, 27 de março de 2018

Aliando história e tecnologia, Fundaj do Derby é reinaugurada pelo ministro Mendonça Filho após reforma


Complexo cultural estava em reforma desde 2015 e volta a funcionar com uma programação especial (Foto: Andre Néry/MEC)

O dia tão aguardado pelos pernambucanos chegou. A unidade da Fundação Joaquim Nabuco do Derby foi reaberta oficialmente nesta segunda-feira (26), pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, após três anos de reforma. Pernambuco recebe de volta um complexo de cultura, lazer e educação, que reabre repleto de novidades, após o investimento de R$ 8 milhões do Ministério da Educação.

Mendonça Filho ressaltou a importância da obra para a sociedade e destacou a necessidade de modernização do complexo. “A Fundação Joaquim Nabuco é uma instituição séria, respeitada na história de Pernambuco, mas durante um período esteve, de certo modo, esquecida, abandonada e necessitava de algumas iniciativas que pudessem levar adiante projetos importantes dentro dessa própria casa”, disse o ministro. “Quando assumimos o MEC, nós observamos que era inaceitável que este prédio estivesse fechado à sociedade pernambucana. Ele precisava ser recuperado, ampliado e modernizado, como um espaço de cultura, de acesso à educação e formação de bons gestores públicos”, disse.


O ministro afirmou que era seu dever concluir a obra de reforma. “Era meu dever, minha obrigação, como cidadão recifense e pernambucano, que ama esse estado, fazer esse esforço para que pudéssemos concluir esta belíssima obra. Foram mais de R$ 8 milhões investidos, um prédio absolutamente modernizado, que hoje está à disposição da sociedade”, pontuou.

A presidente interina da Fundação Joaquim Nabuco, Ivete Lacerda, destacou o trabalho de equipe e os dias e noites de dedicação integral para que a Fundaj do Derby fosse devolvida ao público. “Quando assumi a Diretoria de Planejamento e Administração da Fundaj, há nove meses, essa obra estava parada. Foi uma decisão do ministro Mendonça Filho fazer a obra andar”, afirmou. “Minha alegria nesta noite é imensurável por estar entregando aos pernambucanos um complexo cultural e educacional. O Cinema da Fundação, as salas de exposição e a Escola de Inovação e Políticas Públicas”, celebrou a presidente da Fundaj.

O Edifício Ulysses Pernambucano retoma as atividades com o incremento de tecnologia de ponta que, entre outras coisas, garante a energia ininterrupta para elevadores e equipamentos de combate a incêndios. Ao mesmo tempo, mantém viva sua história e características originais, com os vitrais feitos pelo arquiteto e artista alemão Heinrich Moser, os trechos de piso em ladrilho cerâmico e diversos outros aspectos contrastantes capazes de retomar a história do seu surgimento, na década de 1930, e que fazem do edifício um Imóvel Especial de Preservação (IEP).

O público tem à disposição a chegada de novos equipamentos culturais e educacionais como a Escola de Inovação e Políticas Públicas (EIPP) e a Sala de Leitura, somados ao tradicional Cinema da Fundação, que retoma sua arquitetura original, com janelas voltadas para o Rio Capibaribe e jardim interno, dando o devido valor histórico a uma sala completamente modernizada após a reforma.

O Centro Audiovisual Norte e Nordeste (Canne), a Galeria Vicente do Rego Monteiro, a Massangana Produções Audiovisuais e Educacionais (MMP) e a Biblioteca Nilo Pereira são outros setores da Fundaj que retomam as atividades no Derby, além da Unidade Central da Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte (Meca) e da Coordenação Administrativa e Financeira (Coex). Todos os setores retornam às suas sedes oficiais após realocação iniciada em janeiro de 2014 para os campi Casa Forte e Apipucos.

Homenagens
O Ministério da Educação homenageou seis personalidades com reconhecida contribuição ao desenvolvimento da Educação do país, voltados para a responsabilidade social e cidadania. João Carlos Paes Mendonça, empresário e presidente do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação foi um dos homenageados, ao lado de Ricardo Brennand, empresário, engenheiro e colecionador pernambucano e José Luiz da Mota Menezes, arquiteto, urbanista e professor.

O ex-vice-presidente da República, ex-governador de Pernambuco e ex-senador Marco Maciel também teve sua ação na educação brasileira reconhecida, assim como o senador Cristóvão Buarque e Manuel Correia de Andrade (in memorian), um dos mais respeitados estudiosos da realidade nordestina e ex-integrante do quadro de pesquisadores da Fundaj.

Prêmio Geneton Moraes Neto de Jornalismo

Na abertura da Fundaj do Derby, foram conhecidos os vencedores da primeira edição do Prêmio Geneton Moraes Neto de Jornalismo, que homenageia o recifense, considerado um dos maiores jornalistas da história recente do país.

Na categoria videojornalismo, a reportagem vencedora foi “Gosto Amargo do Rio Doce”, de Ana Graziela Aguiar, da TV Brasil, seguida por “Colônia Itapuã, A Cidade Fantasma”, reportagem feita pelo jornalista Luiz Barbará na Record TV RS. A terceira colocação foi da jornalista Thaís Antônio, com a reportagem “As Cores da Cidade”, veiculada também pela TV Brasil.

Na categoria impresso, a primeira colocação ficou com André de Oliveira, com a reportagem “A Favela do Parque Jarim: Uma Metáfora da São Paulo Moderna”, veiculada no El País. A segunda colocação foi para Mateus Araújo, com a reportagem “À Luz de Verger”, publicada pelo Jornal do Commercio, que também veiculou a reportagem “Pelo Caminhar”, de Roberta Soares, terceira colocada.

Os primeiro colocados das duas categorias receberam prêmio de R$ 25 mil, os segundos, R$ 15 mil, enquanto os terceiros colocados foram premiados com R$ 10 mil.

Ver mais fotos>Reinauguração da Fundação Joaquim Nabuco, Campus Derby. (Fotos: André Nery/MEC)

Programações

Cinema

A reabertura do Cinema da Fundação/Derby será em grande estilo, com Vidas Secas, nesta terça-feira (27), um dos clássicos do Cinema Novo, de Nelson Pereira dos Santos, em cópia restaurada em 4k.

Nesta primeira semana de sessões gratuitas no Cinema da Fundação/Derby, o cinéfilo pernambucano terá a oportunidade de ver, pela primeira vez, seis longas-metragens do Cinema Novo, dois de Nelson (Vidas Secas e Rio Zona Norte) e quatro de Cacá Diegues : Ganga Zumba, Os Herdeiros, Joana, a Francesa e Chuvas de Verão, todos em versões restauradas, em cópias digitais DCP, algumas inéditas no país.

Haverá também homenagem ao jornalista e realizador pernambucano Geneton Moraes Neto, uma mostra de documentários de cineastas pernambucanas acompanhada por uma mesa de conversa sobre a atuação da mulher na realização de filmes no estado, além da presença do projeto Alumiar de cinema acessível, com a exibição do clássico brasileiro O Canto do Mar. Voltada ao público infantil, a animação de Historietas Assombradas será aberta com show de Carol Levy, contadora de histórias. A programação completa está disponível no site do Cinema da Fundação.

EIPP
Marcando a inauguração da nova sede, a Escola de Inovação e Políticas Públicas da Fundação Joaquim Nabuco/MEC oferece 750 vagas em cursos e palestras gratuitos. As atividades serão realizadas entre os dias 2 e 6 de abril. Os cursos e workshops serão realizados das 8h às 18h. Já à noite, das 19h30 às 21h30, o público pode acompanhar as palestras diárias que serão promovidas até a quinta-feira. Abrindo a programação, a jornalista Daniela Arbex, autora do best-seller Holocausto brasileiro, eleito Melhor Livro-Reportagem do Ano pela Associação Paulista de Críticos de Arte (2013) e segundo melhor Livro-Reportagem no prêmio Jabuti (2014), fala sobre jornalismo investigativo e a construção da memória no Brasil.

Quem também participa da semana de inauguração é a cientista da computação Camila Achutti, referência mundial na luta por mais mulheres na tecnologia e ganhadora do prêmio Women of Vision 2015, e a fundadora da Associação Afrobusiness Brasil, Fernanda Ribeiro, atuante no desenvolvimento de ações e programas para fomento da diversidade e inclusão econômica e social de temáticas de gênero e étnico-raciais. Elas conduzem a palestra Empreendedorismo e Juventude. A programação completa está disponível no site da EIPP.

Sala Vicente do Rego Monteiro

Com o objetivo de mostrar como a distribuição dos corpos se deu na região Nordeste, em particular em Pernambuco, levando em conta aspectos como cor da pele e classe social, que a exposição Raça, Classe e Distribuição de Corpos chega à Fundaj do Derby. “São imagens que registram e comentam, tenha ou não havido a intenção de seus autores, uma distribuição de corpos no espaço que alarga (para alguns) ou restringe (para muitos) aquilo que lhes cabe ou que lhes é possível projetar”, explica Moacir dos Anjos, pesquisador da Fundaj e curador da exposição. A Sala Vicente do Rego Monteiro fica no térreo da Fundaj do Derby.

Sala João Cardoso Ayres

Entre paredes derrubadas, tapumes e poeira: o teatro. Assim nasceu o documentário “Roteiro para construir EUdifícios”, que será exibido na Sala João Cardoso Ayres na terça-feira (27). A obra aborda a criação de personagens ficcionais, desde a estaca zero até sua primeira apresentação pública. O curioso termo “EUdifício” se refere ao fato de que tais personagens foram idealizados, construídos e levados ao palco pelos seus próprios criadores, neste caso, atores profissionais. "O prédio já estava com paredes derrubadas e tudo mais, era um ambiente caótico, propício ao que a gente queria. E todos os atores já conheciam o local e entrar lá e ver o prédio revirado serviu de inspiração para construção dos personagens”, aponta Luiz Felipe Botelho, dramaturgo e diretor de Audiovisual da Massangana Produções Audiovisuais Educativas da Fundaj. A Sala João Cardoso Ayres está no 1º andar da Fundaj do Derby.

Sala de Leitura

Do primeiro livro médico publicado sobre o Brasil, passando por obras da época das invasões holandesas, às Assombrações do Recife Velho de Gilberto Freyre ilustradas com desenhos de Lula Cardoso Ayres. As obras raras que fazem parte da Biblioteca Blanche Knopf da Fundaj estão expostas na Sala de Leitura, um dos novos equipamentos da Fundaj do Derby. As obras mais antigas datam do século XVII, caso da História Natural da Medicina (Historae Rerum Naturalium Brasiliae), que realiza um um estudo muito aprofundado sobre a fauna, flora, doenças e endemias encontradas no início da então colônia. Na Sala de Leitura estão expostas ainda dezenas de publicações da Editora Massangana da Fundaj, divididas em dois eixos: Joaquim Nabuco e Gilberto Freyre, mas englobando publicações com referência a Josué de Castro, Celso Furtado, pesquisas e álbuns. A Sala de Leitura está localizada no térreo.

Assessoria de Imprensa MEC


0 comentários:

Postar um comentário