quarta-feira, 21 de março de 2018

Petrolândia: Prefeitura reduz número de casos de dengue, chinkungunya e Zika vírus, mas combate ao mosquito é dever de todos



A infecção pelo vírus Zika, apesar de velha conhecida da comunidade científica, com relatos de casos em outros países há pelo menos 60 anos, ainda é relativamente recente nos registros da Saúde no Brasil. O Zika vírus é transmitido pelo mesmo vetor do vírus da dengue e da febre chikungunya, o mosquito Aedes aegypti.

O Município de Petrolândia, em seu trabalho contínuo de Vigilância em Saúde e em parceria com outros setores municipais e estaduais, bem como a Sociedade Civil, tem desenvolvido um trabalho eficaz, com resultados satisfatórios, comprovado pela queda substancial do número de Notificações de Dengue e Chikungunya em 2017. A redução se estende hoje, com casos suspeitos descartados após o resultado negativo dos exames laboratoriais. Com ao Zika vírus, o resultdo é ainda mais bem sucedido, pois não houve registros da doença no ano passado nem novos casos de microcefalia.

Além de possuir o Plano de Contingência das Arboviroses, elaborado para atender a situações diversas que possam surgir, Petrolândia também conta com o Comitê de Combate às Arboviroses, criado ela Portaria Municipal nº 468/2017, constituído por diversas secretarias e setores de Petrolândia. O Comitê discute e planeja o combate ao mosquito no município. Além disso, a Secretaria de Saúde, por meio do Setor de Vigilância das Endemias, desenvolve rotineiramente  buscas ativas por focos de larvas, Educação em Saúde e bloqueios à proliferação do mosquito, através de borrifações.


Com sucesso nas ações de prevenção e combate ao Aedes aegypti, em dezembro de 2017 o Município de Petrolândia recebeu, na Sede da VI Gerência Regional de Saúde, em Arcoverde, o reconhecimento como Município Destaque pelo Controle das Arboviroses, bem como pelas ações desenvolvidas. Naquela oportunidade, foi reforçado o compromisso da gestão municipal pela continuidade do trabalho, cujo objetivo principal é eliminar os vetores de arboviroses e, por consequência, impedir o surgimento de novos casos da síndrome congênita do Zika vírus, que pode levar ao desenvolvimento da microcefalia em filhos de mães infectadas durante a gestação.

Com o período de chuvas o combate aos focos do mosquito precisam ser intensificados. Por isso a Secretaria Municipal de Saúde convoca toda a população a colaborar com as ações para eliminar e evitar criadouros do Aedes aegypti, para que Petrolândia continue livre do mosquito.

Confira algumas dicas:

1. Não deixe acúmulo de água. A água da chuva pode se acumular em garrafas, pneus, ou qualquer outro reservatório. Após os períodos de chuva, verifique se não ficou água acumulada em algum local.
2. Ponha areia nos vasos das plantas. Em vez de usar água para as plantas, use areia ou pó de café nos pires dos vasos e, então, coloque água. A água contida é suficiente para manter as plantas vivas, mas sem ser um ponto de depósito dos ovos do mosquito da dengue.
3. Faça furos nos pneus velhos. Os furos permitem que a água acumulada escorra, não ficando parada e, assim, evitando que o mosquito se reproduza.
4. Cuidado com a caixa d’água. A caixa d’água é um excelente reservatório para os ovos da dengue. Mantenha-a sempre fechada e a limpe frequentemente com produtos especializados para a limpeza de caixas. Isso também vale para poços, cisternas e caçambas que se acumulam água.
5. Remova folhas e galhos das calhas. Esses objetos, assim como outros (flores, pedaços de garrafa, etc) impedem que água escoe e então, se acumula. Verifique semanalmente o estado de calhas, canos e ralos.
6. Evite cultivar plantas aquáticas. A água das plantas aquáticas é limpa e propícia para a reprodução da dengue. Durante o pico da dengue, plante outros tipos de planta.
7. Mantenha latas e garrafas emborcadas para baixo. Isso evita que a água da chuva se acumule e fique parada por muito tempo. O ideal é jogar garrafas, latas e latões fora ou não deixá-los expostos.
8. Use telas protetoras. A tela protetora evita que os mosquitos entrem na sua casa, mas não impedem que ele se reproduza. O uso de telas e tecidos nas janelas é uma medida complementar e deve ser associada às outras práticas para evitar a reprodução do Aedes.
9. Cuide das piscinas. As piscinas são normalmente difíceis de tratar por possuem um volume grande de água. Se você não a está utilizando, cubra-a com uma lona. Trate a água da piscina com cloro e outros desinfetantes de água.
10. Preste atenção ao lixo. Muitas pessoas pensam que os lixos, por acumularem água suja, não apresentam perigo à dengue. Mas a verdade é que se há água acumulada, há a possibilidade de reprodução do mosquito. Para isso, vede os sacos de lixo e não os deixe expostos.


Secretaria Municipal de Saúde de Petrolândia


0 comentários:

Postar um comentário