segunda-feira, 17 de outubro de 2016

ANA volta a discutir os impactos da vazão reduzida no São Francisco


Foz do rio São Francisco, em Sergipe (Foto: Ascom CBHSF)

Os impactos da vazão reduzida na bacia do rio São Francisco será motivo de nova reunião promovida pela Agência Nacional de Águas (ANA), nesta segunda-feira (17.10), a partir das 10 horas, na sede da agência nacional, em Brasília (DF) e transmitida por videoconferência. A expectativa é que a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) se posicione sobre os estudos solicitados pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) como condição para autorizar o pedido formulado pelo setor elétrico para reduzir a vazão de 800 para 700 metros cúbicos por segundo (m³/s).

A Chesf relacionou quatro estudos que atestam não ser de sua responsabilidade assumir os custos: um sobre lagoas marginais; outro sobre a área socioeconômica; um terceiro sobre monitoramento da fauna; e, por fim, um sobre monitoramento da água subterrânea. O superintendente da Chesf, João Henrique Franklin, argumenta que a companhia é apenas uma concessionária, motivo pelo qual não lhe caberia assumir os custos relativos às exigências apresentadas.

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) tem se mantido vigilante nas reuniões referentes às vazões e os impactos provocados pela sua redução, fato que vem ocorrendo, de forma recorrente, desde 2013.

Assessoria de Comunicação CBHSF


0 comentários:

Postar um comentário