Publicidade

SP: Falta de água e de respeito


"O racionamento de cinco dias não pode ser encarado como uma mera fatalidade, decorrente da pouca colaboração do céu. É uma consequência direta da falta de planejamento". O comentário é de Rogério Gentili, jornalista, em artigo no jornal Folha de S.Paulo, 29-01-2015.

Eis o artigo.

São Paulo enfrentará uma situação só imaginável em regiões desérticas, áreas de conflito armado ou carentes de civilização se, de fato, for preciso implantar o tal modelo de racionamento no qual a população ficará sem água durante cinco dias por semana.

Medida tão drástica assim já foi adotada, por exemplo, em Amã, capital na Jordânia, um dos países mais secos do mundo, onde cerca de 92% das terras são desérticas. Amã tem um regime de chuvas baixíssimo, de cerca de 270 milímetros por ano --na região do Cantareira, no árido 2014, houve cerca de 3,5 vezes mais.

Na maior cidade de um país que possui cerca de 12% das reservas de água doce do mundo, ainda que concentrada em sua maior parte na Bacia Amazônica, racionamento de cinco dias não pode ser encarado como uma mera fatalidade, decorrente da pouca colaboração do céu.

É uma consequência direta da falta de planejamento, da incapacidade administrativa e da irresponsabilidade política, problemas, aliás, que não são exclusivos do Estado. Não foi por falta de avisos, como provam dezenas de estudos sobre o consumo exagerado na região metropolitana e a baixa disponibilidade hídrica, que São Paulo chegou aonde chegou --uma cidade onde moradores precisam recorrer a água da sarjeta para garantir a descarga nos banheiros.

A própria divulgação do esquema draconiano de racionamento é um sintoma do despreparo do governo paulista para lidar com questões importantes. Não foi o governador, nem o secretário de Recursos Hídricos, nem o presidente da Sabesp que anunciou publicamente a possibilidade de se adotar a medida.

Foi um funcionário de segundo escalão da empresa que falou sobre o assunto, sem prestar grandes explicações ou informações complementares, durante uma inspeção em uma obra na qual Alckmin fez questão de utilizar um bonezinho da Sabesp.

Além de chuva, São Paulo precisa de bom senso e respeito.

Fonte: IHU Online

Comentários

Publicidade