quinta-feira, 22 de março de 2018

Petrolândia e região: Projetos de piscicultura financiados pelo ProRural abastecem os mercados de peixe para a Semana Santa


O investimento do Governo de Pernambuco na piscicultura transformou a economia da região e a vida de muitos sertanejos que hoje vivem da produção do peixe (Fotos: Rossana França/ProRural)
Associação dos Piscicultores do Serrote Preto (APS), em Petrolândia


A produção de tilápia, dos projetos financiados pelo Governo de Pernambuco e pela Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária, através do ProRural, vai abastecer grande parte dos mercados de peixe para a Semana Santa. Com um investimento de aproximadamente R$ 3 milhões, em dez projetos já concluídos e outros seis em implantação, os piscicultores familiares organizados em associações e apoiados pelo Programa serão responsáveis por quase 400 toneladas do pescado negociado durante a quaresma.

A tilápia que será vendida nas feiras livres do Sertão de Itaparica e de outros Estados, nesse período, devem movimentar a economia local com um aporte de mais de R$ 2,5 milhões vindo da piscicultura. A procura pelo produto começa a crescer gradativamente nos meses de fevereiro e março, mostra também a valorização do pescado de qualidade produzido pelos produtores familiares e individuais da região, incentivados pelo Governo do Estado.

Durante a Semana Santa 2018, a expectativa dos piscicultores é de que todo o pescado disponível seja negociado neste período. Totalizando, a produção das associações que já produzem uma média de 12 toneladas/mês, mais de 200 toneladas de tilápia ainda chegará às mesas dos consumidores até o final de março.

Pioneiro na implantação de projetos produtivos desde 2004, o ProRural analisa agora a implantação da planta frigorífico de beneficiamento do pescado. Segundo o coordenador do Escritório do ProRural em Petrolândia, Kleyton Lima, o novo projeto, orçado em R$3 milhões, vai atender uma demanda da cooperativa dos piscicultores da região, para que possam acessar novos mercados institucionais (PNAE, PAA) e comércio varejista. “Além disso, com o beneficiamento do filé de peixe e subprodutos, será permitido aos produtores agregar valor à tilápia, como também atender as condições sanitárias exigidas por lei”, informa.

Para fomentar a piscicultura que ainda é crescente no Sertão Pernambucano, o ProRural/FECope presta ainda assistência técnica, com acompanhamento mensal realizado por engenheiros de pesca. Junto com as associações, os profissionais realizam planejamento gerencial e produtivo, para que a produção de períodos sazonais como da Semana Santa atenda as exigências e quantitativos do mercado que hoje já tem uma demanda maior do que a oferta, o que contribui expressivamente para a melhoria da rentabilidade dos piscicultores organizados em associações.

Segundos dados da Embrapa/UNEB, o Polo do São Francisco, nos estados de Pernambuco, Bahia e Alagoas, nos Lagos de Moxotó, Itaparica e Xingó, é o segundo maior polo de produção de tilápia do Brasil, com a produção de aproximadamente 50 mil toneladas em 2017. O município de Jatobá/PE é o maior produtor de tilápia do estado de Pernambuco, seguido, respectivamente, de Petrolândia, Itacuruba e Belém do São Francisco, todos do Sertão de Itaparica.







Texto e fotos: Rossana Fonseca/Assessoria de Comunicação
ProRural - Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária


0 comentários:

Postar um comentário