Publicidade
ESTE BLOG ESTÁ EM REFORMA. AGRADECEMOS A COMPREENSÃO.

Jair Bolsonaro e Fernando Haddad farão segundo turno


Com 85% das urnas eletrônicas apuradas, Jair Bolsonaro ( PSL ) lidera a disputa para a Presidência com 47,6% dos votos válidos. Em segundo lugar, está Fernando Haddad (PT), com 27,24%. Atrás deles, vêm Ciro Gomes, 12,45%. A pesquisa de boca de urna do Ibope e projeções do Datafolha com base nas apurações indicam segundo turno entre o petista e o candidato do PSL.

Para ser eleito no primeiro turno, um candidato precisa atingir mais da metade dos votos válidos do pleito. Em seguida, estão Geraldo Alckmin (PSDB), 4,97%; João Amoêdo, com 2,72%; e Henrique Meirelles (MDB), com 1,22%.

Abaixo na apuração aparecem Cabo Daciolo (Patriota), com 1,21%; Marina Silva (Rede), com 1%; e Alvaro Dias (Podemos), 0,88%. Guilherme Boulos (PSOL) aparece com 0,59%.

Na manhã deste domingo, Jair Bolsonaro (PSL), que lidera as pesquisas eleitorais, chegou cedo à Vila Militar, em Deodoro, na Zona Oeste do Rio de Janeiro . Acompanhado de seguranças e usando um colete à prova de balas, ele se disse confiante em uma vitória ainda no primeiro turno.

- Se Deus quiser, a gente liquida hoje - disse, o candidato, que afirmou ainda que já teria o apoio de 350 parlamentares, a maioria “honesta”, segundo ele.

Segundo colocado nas últimas pesquisas, o candidato do PT, Fernando Haddad, votou num colégio da Zona Sul de São Paulo . Acompanhado da mulher, o ex-ministro da Educação no governo de Luiz Inácio Lula da Silva disse que, caso avance, pretende ampliar sua aliança "independentemente de partido". Ainda acrescentou que, ao contrário de Bolsonaro, vai cumprimentar qualquer adversário caso seja derrotado.

- Vamos procurar ampliar para além dos partidos a nossa aliança, para os brasileiros e brasileiras, independentemente de partido, que queiram contribuir para a reconstrução democrática do país. Nós vamos procurar personalidades e pessoas que tenham uma biografia de serviços prestados ao país para governar com unidade - afirmou o petista.

Agência O Globo

Comentários

Publicidade