sábado, 5 de agosto de 2017

Petrolândia: Em nota, deputado Rodrigo Novaes faz análise do momento político do município


Amigas e amigos de Petrolândia,

Não da para acreditar que Petrolandia está passando por isso. Passei alguns dias pensando em como dizer meu sentimento diante da renúncia do Pastor Ricardo ao cargo de prefeito. Perdoem-me a franqueza das palavras.

Minha posição aqui não é política meramente, mas, sobretudo, pessoal. Tem a ver com coragem, determinação, honra, vocação.

O seu estado de saúde psicológica desperta imediata solidariedade - já tive experiência pessoal diante de problemas dessa natureza e sei o quanto é difícil - mas renunciar a um mandato que lhe foi dado pelo povo através do voto denota nenhum espírito público, nenhum compromisso, nenhuma compreensão do processo democrático que participou. Ato de covardia e irresponsabilidade.

A escolha do povo é um negócio muito sério. A gente só pode renunciar a algo que nos pertence. O mandato não é nosso, mas daqueles que acreditaram na nossa mensagem, que depositaram na nossa expressão esperança em dias melhores; que se emocionaram nos comícios, que apertaram com força e fé nossa mão; dos que choraram de alegria diante da vitória.

Não creio - mesmo compreendendo que cada um sente de uma forma - na hipótese de incapacidade somente por problema de saúde psicológica. Se precisa de tratamento, que o faça, pelo tempo que precisar. Mas o comando precisa ser de quem recebeu os votos na urna. Rejeitar a escolha do povo, ofende a quem acreditou e votou nele, e constrange que não votou. Um enorme desrespeito.

Não troco um dia - um único dia do meu mandato - por nada! Nem pela paz que as vezes me falta. Não cedo um milímetro do papel que o povo me deu diante de dificuldades. É preciso ter honra. Quando achar que não posso cumprir meu compromisso, não disputo mais eleição.

É preciso também que se fale sério, a verdade. O povo de Petrolandia precisa saber exatamente o que aconteceu para que o prefeito saísse do cargo. Que se diga de fato como encontrou a prefeitura, as dívidas, e que tipo de pressão sofreu durante esse período que acabou por desencadear o "desgaste psicológico".

Compartilho com o povo petrolendense sentimento amargo, de decepção, e me solidarizo.

Que essa brincadeira acabe. Que a vice-prefeita, agora prefeita, Jane, resista às pressões e cuide do povo, que parece não estar sendo lembrado nas decisões que estão sendo tomadas.

Rodrigo Novaes - Deputado Estadual/PSD


0 comentários:

Postar um comentário