segunda-feira, 24 de julho de 2017

“Lá na Morada”: documentário retrata sofrimento e superação dos moradores de Morada Nova de Minas

Projeto concorre a prêmio no 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro; vídeo pode ser acessado nas páginas do Youtube e Facebook

Histórias nascidas da dor, do sofrimento e da superação dos moradores da cidade de Morada Nova de Minas, no estado de Minas Gerais, a partir da chegada das águas da Hidrelétrica de Três Marias, na década de 1960, deram o tom do primeiro vídeo do documentário “Lá na Morada”. O curta-metragem foi produzido e dirigido por Mônica Ribeiro, profunda admiradora do povo moradense, e surgiu com o propósito de relatar os fatos de maneira real, contados pelos próprios moradores.

A produção do documentário também contou com a edição do publicitário e fotógrafo Cássio Moreira, natural de Brasília, no Distrito Federal. Com cerca de 11 minutos de duração, o vídeo, que retrata os impactos socioeconômicos, culturais e ambientais provocados pela construção de Três Marias, foi realizado entre 2016 e 2017.

“Segundo os moradores, em 1959, um avião do governo federal sobrevoou a região deixando cair bilhetes informativos de que a água chegaria em cerca de dois anos. Com a inauguração da Hidrelétrica de Três Marias, dois meses depois do episódio, a chegada das águas devastou os roçados e as plantações, levando com eles toda a história de vida e de trabalho dos moradores da região”, lamenta.


“Lá na Morada” traz relatos de sobreviventes que, mesmo impedidos de seguir na lavoura, permaneceram na cidade e conseguiram se reerguer diante daquela que era então sua maior inimiga: a água. As falas de dor, denúncia, revolta e indignação perfilam todo o documentário, que reuniu depoimentos de 13 pessoas que viveram na época da tragédia, como também moradores que nasceram após a chegada das águas.

Paulo Henrique, advogado, criado na cidade depois da hidrelétrica, afirma em seu depoimento que não consegue imaginar a cidade antes desse empreendimento. “Morada para mim é a água. Foi a melhor coisa que já aconteceu para a cidade. Mas eu não tenho uma perspectiva econômica, nem territorial. Para mim, a característica mais bonita de Morada é a água”, relata.

De acordo com os moradenses mais antigos, a chegada da hidrelétrica também provocou diversos problemas socioambientais, desde a extinção de espécies animais até o descontrole de outras, cujo impacto desolou toda a população local. Estima-se que nessa época houve um grande êxodo demográfico, e a população, que era de aproximadamente 20 mil habitantes, chegou a ter 5 mil pessoas em 1990.

“Está sendo uma experiência sensacional participar desse projeto. Nossa expectativa é de alçar novos voos e divulgar nosso trabalho. Estamos participando do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, na Mostra Competitiva Nacional. Nossa intenção é mostrar para o Brasil a história da cidade”, destaca o publicitário Cássio Moreira.

O primeiro vídeo pode ser acessado nas páginas "Lá Na Morada" no Youtube e no Facebook. Recentemente, o material ganhou novo espaço de divulgação, sendo exibido para todo o Brasil na TV Câmara.


Confira o documentário: https://www.youtube.com/watch? v=nSTN6Ci645I

Sobre a cidade

Segundo o último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município de Morada Nova de Minas está situado na mesorregião central do estado de Minas Gerais e possui cerca de 9 mil habitantes. Dentre os municípios limítrofes estão Biquinhas, Paineiras, Felixlândia, Três Marias e Pompeu.

O município era formado por uma população rural, com elevada produção de grãos que abastecia toda a região com seus produtos: algodão, feijão, milho, dentre outros. O local é expoente na produção de tilápia no estado de Minas Gerais. Produz, hoje, mais do que naquela época e ainda tem muitas coisas boas para contar. Além disso, Morada Nova de Minas tem seu povo e sua enorme riqueza cultural, uma reconhecida força para o labor e o talento para o esporte, que há anos está dando o que falar no Brasil e no mundo.

Fernanda Cristina Matos


0 comentários:

Postar um comentário