sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Gestores da CPRH apresentam balanço ao Consema


Resumo das atividades realizadas e planos para o futuro foram apresentados na última reunião do ano do Conselho (Foto: Divulgação/CPRH)

A desburocratização, possibilitando maior agilidade na emissão de licenças ambientais; o ganho de 200 mil novos hectares em áreas protegidas no Estado, com a criação de novas Unidades de Conservação (UCs); a gestão da fauna silvestre, aí incluídos a implantação do Cetas Tangara, a intensificação do combate ao tráfico de animais silvestres e pesquisas como a que está possibilitando a criação de próteses 3D para animais mutilados; o projeto de construção de um novo laboratório, e uma maior captação de recursos externos, no âmbito PSA-Ipojuca e do PSH-PE, possibilitando mais investimentos, com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Banco Mundial (Bird).

Estes foram alguns dos avanços apresentados por gestores da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), na manhã desta sexta-feira (12), durante a última reunião do ano do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema), realizada no auditório do Parque Estadual de Dois Irmãos (PEDI). Com o ano de 2018 fechando uma gestão governamental (2015-2018), gestores da Agência – assim como da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) – aproveitaram a última reunião do colegiado para um detalhamento mais aprofundado de cada ponto aos conselheiros.


Depois de agradecer aos gestores e servidores da Agência, a quem creditou o resultado das ações, e ao governador Paulo Câmara, pela preocupação com a questão ambiental e o estímulo às ações, o presidente da CPRH, Eduardo Elvino, falou sobre alguns pontos do balanço. Destacou que, hoje, o tempo de emissão de licenças dentro do prazo legal (90 dias) está em 63% – entre 2013 e 2014 era de 32%; que o número de autuações referentes a crimes ambientais passou de 6.300 entre 2015-2018 (entre 2011-2014 foi menos de 3.500); e citou que a captação de recursos externos, antes de R$ 2 milhões, passou de R$ 6 milhões junto ao Programa da Bacia Hidrográfica do Rio Ipojuca (PSA-Ipojuca), possibilitando investimentos em novos veículos e equipamentos para a fiscalização ambiental, entre outras áreas, e de R$ 3 milhões junto ao PSHPE (Projeto de Sustentabilidade Hídrica de Pernambuco – PSHPE da Bacia do Capibaribe), para investimento nas UCs.

Também enumerou ações em planejamento, como da mudança da sede da CPRH, o que melhorará a estrutura, e a realização de um concurso público para reforço no quadro de pessoal, em negociação com a Secretaria de Administração do Estado (SAD).

Antes do presidente, outros dois gestores da CPRH falaram aos conselheiros: o diretor Técnico Ambiental, Paulo Camaroti, explanou sobre o Planejamento Estratégico que está sendo realizado na Agência com recursos do BID, o que possibilitará a modernização da estrutura organizacional; e o analista ambiental Carlos Mororó detalhou os investimentos feitos com recursos da compensação ambiental nas Unidades de Conservação.

Núcleo de Comunicação Social e Educação Ambiental - NCSEA
Agência Estadual de Meio Ambiente - CPRH

Nenhum comentário:

Postar um comentário