Publicidade

Candidatos ao governo de Pernambuco participam de debate na TV Globo


Quatro candidatos ao governo de Pernambuco participaram, na noite desta terça-feira (2), de debate na sede da TV Globo, no bairro de Santo Amaro, no Centro do Recife. (Veja vídeo acima)

Durante cerca de duas horas, os candidatos apresentaram propostas para áreas como: segurança pública, saúde, educação, mobilidade, habitação e combate à corrupção.

Mediado pelo jornalista Márcio Bonfim, o debate foi realizado nos estúdios da emissora. Participaram os candidatos (em ordem alfabética): Armando Monteiro (PTB), Dani Portela (PSOL), Maurício Rands (Pros) e Paulo Câmara (PSB).

Foram convidados para participar do debate os candidatos de partidos ou coligações que têm cinco ou mais parlamentares no Congresso Nacional, conforme determina a legislação eleitoral.

O debate teve cinco blocos. O primeiro e o terceiro com perguntas de tema livre; o segundo e o quarto com temas determinados por sorteio na hora do debate pelo mediador; e o último para considerações finais de cada candidato.

Os candidatos tiveram 30 segundos para formular as perguntas, dois minutos para as respostas, um minuto e 15 segundos para réplica e um minuto e 15 segundos para tréplica. No quinto e último bloco, cada candidato teve dois minutos para fazer suas considerações finais.

No bloco com temas sorteados, os candidatos responderam sobre estradas, transporte metropolitano, habitação e corrupção.

>Veja vídeos do debate - por: G1 PE

Veja trechos das respostas sobre temas sorteados:

Paulo Câmara, sobre estradas: “Fizemos e recuperamos mil quilômetros de estradas. Fizemos isso porque nós temos capacidade de gestão, capacidade de avançar. Estamos indo em locais importantes, como estamos duplicando a PE-160, ali em Santa Cruz do Capibaribe, que vai melhorar o polo de confecções. Fizemos estradas importantes lá no polo gesseiro para melhorar, justamente, o ir e vir de mercadorias. Estamos atuando em recuperações em várias estradas, todo o tempo nós temos essa preocupação, porque a gente sabe da importância de garantir o ir e vir das estradas e das pessoas para o desenvolvimento. Pernambuco, mesmo com a crise, atraiu 113 empresas, atraiu porque as pessoas têm confiança de que podem investir em Pernambuco, que sabem que as coisas vão ser cumpridas e vão ser feitas. Aqui tem estrutura adequada, tanto é que as empresas estão vindo. Aqui tem mão de obra qualificada, nós somos reconhecidos nacionalmente como uma mão de obra que sabe qualificar e sabe fazer as coisas acontecerem. Nós também somos reconhecidos porque temos uma política tributária que olha o interior, por isso que atraímos tantas empresas, atraímos a InBetta, atraímos a Tramontina, atraímos a Jeep, atraímos tantas outras e vamos continuar a fazer. Vamos fazer, nos próximos quatro anos, mais mil quilômetros porque a gente tem compromisso também com o desenvolvimento”.

Maurício Rands, sobre transporte metropolitano: “Garanto o Passe Livre, Paulo Câmara, e vou cumprir algumas promessas que você fez lá em 2014 e deixou de fazê-las, como, por exemplo, o Bilhete Único, que hoje prejudica a população mais pobre e que mora mais afastada do local de trabalho. Vou exercer a força que o governo do estado tem, se tiver a honra de governá-lo, para forçar as empresas de ônibus, e criar os mecanismos necessários para isso, para que todos os ônibus da Região Metropolitana e das grandes cidades ofereça um conforto aos passageiros, e conforto com ar-condicionado. Vou estender e vou completar esses corredores do BRT, completar as estações, fazê-lo funcionando, inclusive sincronizando o trajeto nos semáforos para que a população possa perder menos tempo no transporte. Eu vou estender a estação do metrô até a Arena, e isso vai ajudar a dar viabilidade a esse problema que Pernambuco tem hoje, que é a Arena de Pernambuco. E vou fazer uma rodovia continuando a Via Mangue até Pontezinha. Então, nós vamos trabalhar com todos os modais, incentivando os municípios a valorizar as ciclovias e vamos trabalhar muito no transporte coletivo, repetindo: dando os confortos que a população precisa, forçando as empresas de ônibus a colocarem mais linhas, e acabar com esse sufoco que é andar no transporte coletivo hoje em Pernambuco. E, para isso, eu vou fazer as licitações das linhas de ônibus na Região Metropolitana".

Armando Monteiro, sobre habitação: "Tenha cuidado, Paulo, porque o povo de Pernambuco sempre foi muito cioso da sua soberania. Você não tutela o povo de Pernambuco, não. Tenha muito cuidado com as suas previsões porque você é ruim de promessa. Aliás, você é bom de promessa, é ruim de entrega, e vai ficar provado que suas previsões não se confirmam. Dani, quanto à questão da habitação, o governo prometeu muito regularizar as ocupações e assumiu um [grande] número de promessa de construção de habitacionais. Eu acho que essa questão tem que ser tratada com muita seriedade. Há um imenso déficit habitacional, ele existe em Pernambuco, e nós temos que criar modelos que estimulem a participação do ‘Minha Casa, Minha Vida’ em Pernambuco. Isso envolve um complexo que seria, por exemplo, a garantir oferta de terrenos adequados, ter força junto ao governo federal para viabilizar mais recursos, sobretudo daquela faixa que atende a menor renda, e reintegração de posse de algumas áreas públicas que seriam destinadas ao setor privado, com o compromisso de que ele pudesse oferecer habitações aqueles ocupantes daquelas áreas com uma participação também do Estado. Portanto, nós temos que tratar isso com muita seriedade, mas precisa articulação, que é o que falta o governo de Pernambuco”.

Dani Portela, sobre corrupção: "Falamos anteriormente da corrupção na Casa Militar no governo de Paulo Câmara. Esse dinheiro era para ir para as vítimas das enchentes. Paulo Câmara prometeu barragens e não combateu a corrupção, deixou que esse dinheiro fosse desviado. A Mata Sul tem que dar essa resposta, as pessoas foram prejudicadas. Maurício, falar em corrupção, eu volto a insistir, é falar em auditar a dívida, a dívida ativa tributária de Pernambuco. São mais de R$ 15 bilhões de dívida e a gente não consegue arrecadar nem 1% disso. Isso é um absurdo porque quem sonega são os grandes empresários, quem sonega não sou eu nem é você, quando vai a uma loja comprar um eletrodoméstico. Quem sonega são as pessoas que contam com a complacência, a complacência que não é eficaz nessa cobrança e a gente precisa, realmente, enfrentar esse problema de frente. São R$ 15 bilhões que não são cobrados devidamente. Imagina esse dinheiro podendo ser investido na saúde, na educação, em políticas públicas, em várias obras inconclusas - nosso estado se tornou um verdadeiro canteiro de obras. Precisamos combater a corrupção, mas precisamos pensar que o próximo presidente desse país tem que se comprometer com a revogação da Emenda Constitucional 95, que coloca um teto que congela investimentos públicos por 20 anos, mas não congela para pagamento de dívida, porque a gente continua do lado dos banqueiros. Por isso o nosso partido ele não está no lado do banqueiro, não está no lado de grandes empresários, as nossas construções vêm com o povo, com os movimentos sociais e com vocês que estão aí nos assistindo”.

Considerações finais

Antes do início do debate, houve um sorteio para definir a ordem das considerações finais. Confira o que os candidatos disseram ao final do debate:

Dani Portela: “Hoje, nós assistimos aqui o que acontece quando uma mulher se coloca. Marielle Franco, a vereadora assassinada do Rio, era do meu partido, e sua última fala foi: eu não serei silenciada. Vocês, mulheres, sabem o que eu estou falando. Vocês viram os candidatos tentando me explicar, dizendo o que eu já tinha dito. A gente está acostumado com isso, mas, infelizmente, isso é fruto de uma sociedade patriarcal e machista. Nós não admitiremos mais sermos silenciadas. Vimos aqui um jogo do toma-lá-dá-cá, agressões mútuas, e a gente vê que o time é o mesmo, só mudam os jogadores. Ora um está no campo, ora está na reserva, mas o time é o mesmo. Nós precisamos mudar este time. Eu quero ter propostas concretas como governadora do estado para a educação em Pernambuco, que não é a melhor do país. Precisamos de uma educação integrada que pega essa criança desde a creche até as séries finais. Precisamos também de uma segurança que nos atenda de maneira humanizada, de outros modelos de segurança pública. Falo também com você eleitora: nós somos maioria desse estado e nós decidiremos essas eleições. A nossa aliança PSOL e PCB é uma aliança de coerência. Vote em candidatos que começam com 50 e 21, você tem a certeza de estar dando um voto certo, um voto com princípio de enfrentamento a essas desigualdades, com propostas concretas para governar o estado, de um estado de maneira mais democrática e participativa. Nós, mulheres, demos um lindo recado no ato do último sábado. Estamos juntas, somos muitas, ele não, ele nunca”.

Armando Monteiro: “Quero agradecer a você que nos assistiu até aqui, a Márcio e aos demais candidatos. Pudemos aqui confrontar propostas e visões. O debate foi politizado, sim, e deve ser. Eu quero lembrar que em momentos decisivos da vida de Pernambuco o pernambucano teve a capacidade de mudar de rumo, e é nessa perspectiva que eu apelo ao pernambucano, ao cidadão eleitor, aquele que não está querendo votar, aquele que reluta em votar. Faça sua escolha, garanta o segundo turno para que nós possamos ampliar o debate sobre uma série de temas que são cruciais. Pernambuco andou para trás nos últimos três anos, nós não podemos repetir esse erro. A eleição de 2014 foi determinada pelo coração, em função de um trágico acontecimento que conhecemos. Agora é hora da gente seguir firme em direção ao futuro. Ofereço uma vida limpa, alguém que acumulou experiência em vários setores da sua vida. Eu quero enfrentar o tema da segurança restabelecendo a autoridade pública em Pernambuco, um comando firme, uma capacidade de mobilizar a sociedade em torno desse objetivo. Eu vi o drama das pessoas que padecem na fila na saúde e é hora de oferecer a elas um tratamento digno e humanizado, um grande mutirão para marcação de exames e consultas. Vamos reduzir essa fila inaceitável de 20 mil pernambucanos que esperam por uma cirurgia. Vamos levar Pernambuco a ter novamente voz no cenário nacional porque, amigos, todos temos que entender: se a gente não mudar, fica tudo como está. Muito obrigado. Obrigado a Deus por essa oportunidade.”

Maurício Rands: "Vocês viram que nesse debate eu me concentrei em apresentar propostas concretas, exequíveis, dizendo exatamente de onde vêm os recursos para resolver cada um dos problemas de Pernambuco. Os problemas de gestão fiscal, os problemas de segurança, de saúde, de educação, de recursos hídricos, de meio ambiente, de emprego, de investimentos estruturadores. Eu volto à política de Pernambuco porque tenho um sonho. Eu tenho um sonho de ver a minha terra, onde estão as minhas referências, onde estão as minhas emoções, em um momento muito melhor do que ele se encontra. Pernambuco está num marasmo, está no desencanto. Essas duas grandes coligações, elas não representam a verdadeira, o verdadeiro anseio, o sonho dos pernambucanos. Elas não estão conectando. É por isso que eu digo a você, que ficou até essa hora nos escutando: não se deixe levar por pesquisa, por grandes máquinas de prefeitura, de estado, por essa legião de cargos de confiança, de pessoas pagas pedindo o seu voto. Essa eleição é do pernambucano livre, da pernambucana que tem o mesmo sonho que eu tenho, de ver um Pernambuco desenvolvido, com inclusão social, respeitando o meio ambiente. De ver um pernambucano recuperando a alegria de ser pernambucano. E para isso tem que ter governo honesto, austero. Eu vou acabar com essa coisa de a política com 12, 14 coligações. Quando depois vão ao governo, loteiam os cargos públicos. Eu vou reduzir, logo no primeiro mês, em 30% os cargos de confiança. Vou reduzir essa coisa de carro, motorista, locadora. Eu vou dar o exemplo como governador de fazer um governo austero. E corrupto, no meu governo, eu não quero nenhum voto. Aliás, eu não quero voto nem de quem é tolerante com a corrupção. Não vai ter boquinha no meu governo. O recurso do pernambucano vai ser para o desenvolvimento do nosso Estado. Maurício Rands 90".

Paulo Câmara: "Eu quero agradecer ao povo de Pernambuco essa oportunidade de debater o futuro. Eu andei por todo o estado, conversei com as pessoas, fui de casa em casa, recebi o abraço, recebi o entusiasmo e vou continuar a trabalhar com muita determinação. A gente tem muito o que fazer por Pernambuco e vamos fazer juntos, como criar o décimo terceiro do Bolsa Família, vamos criar o ProUni Pernambuco, vamos criar o Crédito Popular. Vamos fazer as obras que essa crise não deixou a gente fazer. Vamos gerar os empregos e devolver aos pernambucanos os empregos que essa crise tirou. Vamos trabalhar muito em Pernambuco, que tem lado. O nosso lado, o pernambucano já sabe. É o lado de Miguel Arraes, é o lado de Eduardo Campos, é o lado do presidente Lula, é o lado do povo, daqueles que mais precisam. Nós estamos disputando a eleição com o outro lado, o lado do Armando Monteiro, da turma do Temer, daqueles que votaram contra o trabalhador, a favor dessa reforma trabalhista do presidente Temer, que tanto mal fez ao país. É hora de comparar os currículos, é hora de comprar as propostas, é hora de sentir e ver quem quer trabalhar realmente por um Pernambuco melhor. Eu sou há 25 anos servidor público e vou continuar servindo ao público. Essa é a minha missão. Missão se faz com gosto, missão se faz com coração, missão se faz bem feita e eu procurei muito nesses últimos quatro anos fazer bem feito. Trabalhar por aqueles que mais precisam. E eu conto com vocês. Eu quero continuar a trabalhar por Pernambuco, a ter a confiança do nosso povo, a fazer mais com menos, mas fazer para aqueles que mais precisam, nos colocando do lado do outro, junto com o outro, fazendo com que as coisas aconteçam. Pernambuco vai continuar a andar para frente. Pernambuco não pode andar para trás. Eu conto com vocês, mais uma vez. A gente sempre esteve junto ao lado do povo, trabalhando para o povo. E essa mesma gente que sempre me ajudou e vai estar junto com vocês. No domingo, meus amigos, vote no 40. Vote no coração. Vote para Pernambuco seguir na frente. Um grande abraço".

Entrevista pós debate

Após o término do debate, o repórter da TV Globo Antônio Coelho entrevistou os candidatos, sobre as impressões do encontro. Confira as respostas:

Maurício Rands: "Eu acho que as pernambucanas e os pernambucanos viram quem apresentou propostas concretas, quem realmente está preocupado em confirmar como as propostas podem ser implantadas, e não apenas lançar ideias que depois não podem ser cumpridas. E todo mundo viu aqui também que essa eleição está em aberto. Nós temos amplas condições de ir para o segundo turno, de construir uma boa política, de reconstruir a forma de fazer política aqui em Pernambuco. Nós vimos que as duas supercoligações, máquinas poderosíssimas, riquíssimas, trouxeram para o debate o que estão apresentando no guia eleitoral: as disputas e promessas que eles não demonstram como vão executar. Então, Pernambuco tem condição de realmente virar uma página e construir o futuro trazendo de volta a esperança com Rands 90".

Paulo Câmara: "O debate é sempre positivo e a gente tem oportunidade de discutir temas. Infelizmente, muitos temas que eu queria discutir os candidatos não colocaram ou então foram para outro lado, lado que não faz bem para Pernambuco, lado das mentiras, do lado da baixaria. Mas vamos seguir em frente. Eu estou aqui para continuar a governar Pernambuco, para continuar a ajudar o povo de Pernambuco, a servir ao povo de Pernambuco da forma que eu sempre fiz: com coração, com trabalho, com determinação, montando um time e ouvindo, ouvindo o que a população quer. Enfrentamos tempos difíceis com a crise, mas preparamos Pernambuco também para voltar a crescer. Já estamos crescendo o dobro do Brasil e já fomos o estado [que] em agosto foi o segundo que mais gerou emprego no Brasil. E vamos continuar a ter a melhor educação pública de Pernambuco e do Brasil. Muito obrigado".

Dani Portela: "O debate deixou de aprofundar algumas questões, mas é sempre um espaço importante. Principalmente para os nossos partidos, que têm pouco tempo de TV diante dessa estrutura que é tão desigual. Muito importante para mim estar aqui com a minha chapa feminista completa. As candidatas ao Senado, a co-governadora Gerlane, e saber que a gente representa a força de quem quer mudar. Essa aliança de partidos de esquerda que querem discutir Pernambuco. Então se você votar nos nossos deputados federais e estaduais, você tem certeza que você tem políticos compromissados com a história de Pernambuco, com propostas concretas para governar o estado, que será governado por mulheres".

Armando Monteiro: "Uma avaliação muito positiva, a gente pôde confrontar propostas, perfis, e ficou claro aqui que há um mundo, um mundo da narrativa do governo que não corresponde à realidade. Pernambuco vive em áreas críticas, problemas sérios na saúde, na segurança. E nós pudemos aqui discutir essas questões. E agora na perspectiva do segundo turno, que nós temos certeza que se confirmará, nós vamos aprofundar o debate dessas questões. Diferentemente de rótulos, de falsas narrativas, o pernambucano quer saber como enfrentar as questões que nos desafiam. Pernambuco não pode perder tempo. A eleição de 2014 foi um momento de homenagem. Agora é hora de homenagear o povo de Pernambuco com soluções concretas para os seus problemas".

Por: G1 PE

Comentários

Publicidade