quinta-feira, 28 de junho de 2018

‘Cai! Cai! Cai!’: um jogo do Brasil no bar que oferece shots grátis a cada queda de Neymar

Clientes do Sir Walter Pub bebem após uma das quedas de Neymar Foto: Fábio Guimarães

Meados do segundo tempo, o Brasil já vence a Sérvia por 2 a 0. Na intermediária defensiva, Neymar recebe a bola, dá um lençol no adversário e tenta puxar o contra-ataque em velocidade. Em um pequeno recinto da Vila da Penha, Zona Norte do Rio, os berros que se seguem não são pedidos de uma finalização precisa, ou de uma assistência decisiva para um companheiro. “Cai! Cai! Cai!”, gritam em coro, a plenos pulmões, os cerca de cem clientes do Sir Walter Pub.

Na contramão do país, que vinha questionando as constantes quedas do craque, aquele grupo de torcedores tinha motivos de sobra para desejar mais uma ida ao chão. Uma promoção anunciada pelo bar, com a promessa de rodadas grátis de shots de bebida a cada tombo do camisa 10 durante a partida, virou notícia até mesmo no exterior nos últimos dias.

A primeira rodada gratuita veio um tanto na marra. Neymar recebeu uma trombada e levou os joelhos ao gramado. A galera pediu, os responsáveis pela promoção embarcaram. Pouco depois, os clientes vibraram mais com uma inversão errada de Philippe Coutinho do que com o lançamento perfeito para o gol de Paulinho: ao tentar buscar a bola, Neymar lançou-se em um carrinho infrutífero — não para quem estava no Sir Walter Pub, claro.

A primeira queda em virtude de uma falta só veio aos 32 minutos, e ninguém pareceu se preocupar com uma possível lesão. Em seguida, Neymar desequilibrou-se e ameaçou ir ao solo, gerando reclamações no bar. Como não tinha VAR, as três donas do estabelecimento mandaram o jogo seguir. Ainda antes do intervalo, o craque desabou no meio-campo, e Mladen Krstajić, técnico da Sérvia, reagiu fazendo o gesto indicando simulação com as mãos. Mas quem liga? Desce mais uma rodada. No último lance do primeiro tempo, Neymar finalizou por cima.

— Era melhor ter caído — gritou uma voz no fundo do salão.

O segundo tempo começou animado, pelo menos no Sir Walter Pub. Com 1 minuto e meio, antes mesmo de todos os clientes retomarem seus lugares, a primeira queda do craque parecia prenunciar uma embriaguez generalizada. Mas só parecia. Bem mais de pé do que nas duas primeiras partidas da Copa do Mundo — foram seis quedas, ou uma a cada 16 minutos, quase metade da média de um tombo a cada 9 minutos dos dois jogos anteriores, conforme levantou o Núcleo de Dados do EXTRA —, Neymar não garantiu nenhuma outra rodada de álcool. Como consolo, além da vitória por 2 a 0 e da vaga nas oitavas de final, uma última leva de shots servida a título de cortesia pós-apito final.

— Frequento o espaço desde que abriu, em 2012, mas nunca vi uma galera tão empolgada quanto hoje — contou o analista de sistema Fernando Moutinho, de 28 anos, que no intervalo arriscou uma receita perfeita para tentar unir o sucesso da seleção à animação reinante: — Por mim, o Neymar só faz gol de peixinho.

Assim como ele, a enorme maioria dos presentes era composta por frequentadores assíduos, moradores de bairros próximos — apesar da ação de marketing viralizada, o pub trabalhou com reservas antecipadas por telefone, o que favoreceu aos clientes mais antigos. Ainda assim, a visita de várias equipes de imprensa, incluindo duas estrangeiras, deu o tom do alcance da iniciativa.

— Neymar é o craque do time, o mais perseguido. Nossa ideia inicial era fazer a promoção a cada falta, mas, com as brincadeiras e os memes sobre as quedas dele, decidimos mudar o foco, para ficar uma coisa mais cômica. Não imaginávamos tanta repercussão, deu muito certo — comemorou uma das três sócias, Fernanda Abreu.

O pub havia providenciado, ao todo, 40 mil litros de Catuaba Selvagem e de cachaça Salinas, a partir de parcerias firmadas com as duas marcas. Nas contas dos responsáveis, a quantidade seria possível para suprir até 40 rodadas de cem shots. Se sobrou, não tem problema: já está marcado o repeteco da promoção para as oitavas de final, na próxima segunda-feira, às 11h, contra o México.

Extra-RJ


0 comentários:

Postar um comentário