quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Profissional de saúde suspeito de estuprar jovem em UPA na Zona Sul do Recife é afastado

Secretaria da Mulher, Silvia Cordeiro, e a delegada chefe do Departamento de Polícia da Mulher, Gleide Ângelo (Foto: Marina Meireles/G1)

O profissional de saúde suspeito de estuprar uma jovem de 18 anos em uma sala da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), na Imbiribeira, na Zona Sul do Recife, foi afastado do cargo pela diretoria da unidade. A direção da unidade apontou ainda que "vai tomar todas as medidas cabíveis". A informação foi divulgada pela Secretaria de Saúde nesta quinta-feira (22).

A vítima procurou a Delegacia da Mulher, na área central da capital, na noite de quarta-feira (21), e relatou ter sido abusada pelo profissional, horas antes. "Ela estava muito nervosa quando chegou à delegacia e não conseguia falar com detalhes o que aconteceu e quais as características do homem, mas assim que ela relatou o estupro, ela foi direcionada aos exames", explica a delegada da Mulher, Gleide Ângelo.

Nesta quinta-feira (22), a delegada Ana Elisa Sobreira, responsável pelo caso, vai ouvir o depoimento da vítima. Num primeiro momento, a jovem mencionou que foi atendida por um médico traumatologista e que o crime ocorreu quando ela voltou ao consultório em que foi atendida para mostrar um exame de raio-X.

"Além dela, também vamos ouvir testemunhas e aguardar o resultado dos exames feitos na vítima. O inquérito foi aberto e temos um prazo de até 30 dias para a conclusão, mas acredito que conseguimos finalizar o caso antes disso", afirma a delegada Gleide Ângelo.

A polícia também vai investigar qual o cargo do profissional de saúde que cometeu o crime. "Ainda assim, antes de ser médico ou qualquer outro profissional de saúde, foi um homem que cometeu o crime. Essa é a peça mais importante da investigação, porque é a base do relato da vítima", explica a secretária da Mulher de Pernambuco, Silvia Cordeiro.

Depois do Boletim de Ocorrência, a vítima passou por exames sexológico e de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML). Em seguida, a jovem foi encaminhada ao Serviço de Apoio à Mulher Wilma Lessa, localizado no bairro de Casa Amarela e referência em casos do tipo.

A Secretaria de Saúde apontou que, no local, "ela foi acolhida, recebeu atendimento de uma equipe multiprofissional e tomou as medicações profiláticas contra infecções sexualmente transmissíveis (IST) e gravidez indesejada". A jovem teve alta e está sendo acompanhada pelo serviço.

Por G1 PE


0 comentários:

Postar um comentário