Publicidade

Diego Aguirre não é mais treinador do Atlético-MG


A eliminação na Copa Libertadores, apesar da vitória por 2 a 1 diante do São Paulo, decretou o fim da ‘era Diego Aguirre’ no Atlético. Nesta quinta-feira, o técnico anunciou seu pedido de demissão em entrevista coletiva na Cidade do Galo. Segundo ele, foi uma decisão para 'aliviar' a pressão no clube e dar tranquilidade ao elenco e o presidente Daniel Nepomuceno.

"Estamos aqui, junto com o Daniel, pra comunicar que tomei a decisão de deixar o clube. O principal objetivo que tínhamos era ganhar a Libertadores, não foi possível. Como vocês viram ontem, ficamos fora", disse o ex-técnico, que revelou ter entregado o cargo há vinte dias. "Vinte dias atrás, quando passamos da primeira fase da Libertadores, nessa semana seguinte, eu falei para o Daniel que queria deixar o clube, que queria ir embora, ele me pediu que ficasse. Ele me pediu: ‘Espera, temos que jogar contra o Racing, temos jogos importantes da Libertadores e você não pode ir agora, tem que ficar’. Achei justo. Ficamos de nos falar quando acabasse nossa participação na Libertadores. Isso aconteceu ontem, e hoje tivemos uma reunião, e concordamos nisso", disse.


"Acho que é um momento difícil esportivo para o clube, porque perdemos. É bom aliviar um pouco o Daniel e os jogadores, acho que possa ser bom para eles continuar por um caminho que acho que foi bom, porque tenho a tranquilidade de que fizemos um grande trabalho. Estou muito agradecido ao presidente, a Maluf, a todos os profissionais que trabalham aqui no clube, fundamentalmente, os jogadores, onde tivemos uma experiência, pelo meu ponto de vista, excelente. Mas, no futebol é assim, tem que ganhar e às vezes tomar algumas decisões", complementou.

O presidente alvinegro explicou a saída do técnico uruguaio. "Desde quando começamos, em dezembro, nossorelacionamento com a equipe técnica e com o Diego sempre foi muito bom. Nesse momento, que não é bom, temos que estar juntos, encarar os fatos e trabalhar com a realidade. Eu não tenho muito a dizer, o Diego colocou muito bem. Já tem algumas semanas que ele me procurou. Estávamos durante umas oitavas de final da Libertadores e umas finais (sic). Ele compreendeu. Disputamos. Deixa a equipe toda aqui com vários ensinamentos: um treinador moderno, de uma equipe competente. É isso. Reunimos hoje. O futebol, infelizmente, traz esses dias de encerramento de etapa", disse Nepomuceno.

O presidente alvinegro anunciou a contratação de Diego Aguirre, por meio do Twitter, em 3 de dezembro de 2015, pouco tempo depois de demitir o então técnico Levir Culpi. Sob o comando do uruguaio, o Atlético disputou 31 jogos - são 16 vitórias, 7 empates e 8 derrotas, aproveitamento de 59,13%. Foram 54 gols marcados e 28 sofridos. Esta é a segunda troca de treinador liderada por Daniel Nepomuceno, que está na presidência do Atlético desde dezembro de 2014.

Substituto

Durante o pronunciamento, nesta quinta-feira, o presidente do Atlético garantiu que não procurou nenhum treinador. "Eu não conversei com nenhum técnico. Quando tiver que acontecer vocês serão informados. Agora, tenho que agradecer ao Diego e a todos o que o acompanharam", disse.

Disponível no mercado e com história ligada ao Atlético, Marcelo Oliveira encabeça a lista de preferências da diretoria para substituir Aguirre. Há pouco mais de 15 dias, porém, o comandante recusou uma oferta do Cruzeiro dizendo que “havia recebido uma sondagem de outro clube (de fora do país) e assumido um compromisso verbal de que avaliaria as condições apresentadas”. Nesta quinta, ele não atendeu à reportagem. Outro técnico cotado, Abel Braga também não respondeu ao Superesportes.

Estado de Minas

Comentários

Publicidade