sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Frases do dia 05/12/2014: Coletânea IHU Online


Recado dado

“Generais da ativa têm se mobilizado para passar recados à Comissão Nacional da Verdade, que no dia 10 entrega relatório das investigações sobre a ditadura à presidente Dilma Rousseff: não estão contentes com as notícias publicadas, que preveem a responsabilização até de ex-presidentes militares pelos crimes de tortura, assassinatos e desaparecimentos” – Mônica Bergamo, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Nada feito

“Os integrantes da comissão, no entanto, não acreditam na possibilidade de uma crise militar. Acham que haverá algum barulho, mas nada que comprometa o resultado do trabalho nem a estabilidade do governo” – Mônica Bergamo, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Ouvido

“Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que mantém interlocução com a área militar, manifestou a mais de um amigo preocupação com a tensão que surgirá depois da divulgação do relatório. Ele chegou a ser alertado disso por um militar de alta patente” – Mônica Bergamo, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Com fé

“Geraldo Alckmin fala pela primeira vez dos encontros da Opus Dei no palácio em 2005. "Fizemos três ou quatro círculos, muito bons. Você pega um texto evangélico e comenta. E tira as conclusões", relata o governador à revista "Piauí" deste mês. Sobre o fato de a prelazia ser polêmica, ele diz respeitar "imensamente quem faz parte dela". E lembra que monsenhor Escrivá, espanhol que a fundou, "é santo da Igreja Católica" – Mônica Bergamo, jornalista –Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Pânico

“Integrantes do PT relatam que há semanas têm a impressão de que o tesoureiro João Vaccari Neto está na "iminência de ser preso" – Vera Magalhães, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Teflon

“Em reunião do PT no fim de outubro, Vaccari disse aos colegas de partido que não se preocupassem com ele. "Estou limpo. Não há nada contra mim", afirmou, segundo um petista” – Vera Magalhães, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Governo novo...

“Dilma prometeu ao presidente da CUT, Vagner Freitas, que reunirá as centrais sindicais logo depois de sua posse” –Vera Magalhães, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Bolsa Rico

“No ano que vem, o país ainda gastará 5,3% do PIB em pagamentos de juros da dívida pública, o equivalente hoje a uns R$ 266 bilhões, mais de dez vezes o gasto do Bolsa Família, para recorrer a uma unidade de conta popular. O gasto com juros já foi maior, mas viera em tendência de queda de 2003 a 2011. Tolerância com inflação e mais descrédito e gastos do governo, que implicam juros maiores, contribuíram para que fosse suspensa a baixa gradual da despesa com esse Bolsa Rico” – Vinicius Torres Freire, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Vala comum

“O PT caiu na vala comum dos demais partidos que têm grande vantagem nessa malandragem toda, no mau uso do dinheiro público. O PT se assemelhou aos demais. Aliás, algumas condutas individuais do PT pretenderam até superar a malandragem dos outros. Isso é muito sério” – Olívio Dutra, ex-governador do Rio Grande do Sul – PT – portal do jornal Zero Hora, 04-12-2014.

Seríssimo

“O padrão da política praticada hoje, não só no Congresso, mas nas Assembleias, nos legislativos municipais e em outros espaços, é a esperteza, a malandragem, o toma lá dá cá, o enriquecimento ilícito, o enriquecimento fácil com dinheiro dos outros, com dinheiro público. É um problema seríssimo na atual cultura política” – Olívio Dutra, ex-governador do Rio Grande do Sul – PT – portal do jornal Zero Hora, 04-12-2014.

Buchas de canhão

“Pezão, o ex-governador Sérgio Cabral e o governo federal acham que "pacificação" se faz com tanques nas ruas, violência contra moradores, sem políticas sociais ou interesse em ouvir as 130 mil pessoas que vivem nas 16 comunidades. Há 2.400 militares cumprindo uma função para a qual não são treinados, a de policiamento, e servindo como buchas de canhão para que as elites da cidade se achem protegidas” – Luiz Fernando Vianna, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Paradoxo

“O novo comandante das UPPs é mais um coronel egresso do Bope, batalhão que entra em favelas para levar a morte, não a paz. Com tal paradoxo não se vai longe” – Luiz Fernando Vianna, jornalista – Folha de S. Paulo, 05-12-2014.

Fonte: IHU Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário