Publicidade

Em apenas sete rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, sete técnicos foram demitidos

 
Luxemburgo e Muricy entre os técnicos demitidos e desempregados

Na mescla de elementos formadores da identidade nacional brasileira, um ingrediente estará sempre presente: a contestação ao técnico de futebol. Do Amapá ao Rio Grande do Sul, a tradição manda o torcedor achincalhar o comandante em caso de derrotas, empates, substituições inócuas ou escalações erradas. O homem que fica em pé à beira do campo também costuma ser o primeiro limado pela diretoria quando nem tudo dá certo.

Nas sete primeiras rodadas da Série A, sete técnicos foram demitidos. Entre os comandantes sem tanto estofo está Ricardo Drubscky, o último a perder o emprego, no Atlético-PR, integrante da zona de rebaixamento. Mas também ficaram sem trabalho os dois maiores vencedores desde o início da disputa do torneio em pontos corridos, em 2003: o Santos mandou embora o tetracampeão Muricy Ramalho, enquanto o Grêmio tirou do cargo o bicampeão Vanderlei Luxemburgo. Além deles, outro vencedor pediu demissão: Paulo Autuori, que deixou o Vasco e assumiu o São Paulo pouco depois.

Da Redação do Blog de Assis Ramalho
Fonte: Correio Brazilense

Comentários

Publicidade