Publicidade

Professores da rede particular de ensino de Pernambuco decretam estado de greve

 

Professores do setor privado vinculados ao Sindicato dos Professores de Pernambuco (Sinpro) realizaram assembleia geral da categoria nesta quinta-feira (9), ocasião em que decidiram decretar estado de greve. O encontro aconteceu simultaneamente nas cidades de Recife, Caruaru, Petrolina e Limoeiro.

Segundo nota enviada à Imprensa pela assessoria de comunicação do Sinpro, o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado (Sinepe) não teria considerado nenhuma das reivindicações apresentadas pela categoria. De acordo com o texto, o Sinepe teria negado a proposição de hora atividade, apoio técnico aos professores que trabalham em escolas com alunos com necessidades especiais, ticket alimentação, acesso a cultura e lazer e excluem qualquer cláusula que esteja relacionada à saúde dos professores.

A entidade patronal teria sugerido ainda a retirada de direitos históricos conquistados pela categoria, como a permissão para instalação de câmaras em salas de aula, mudança no recesso escolar dos professores, diminuição do percentual das horas extras de 100% para 50% e a extinção da indenização de 50% para professores dispensados durante o semestre letivo.

De acordo com o coordenador geral do Sinpro Pernambuco, Jackson Bezerra, os professores não abrem mão de nenhum ponto posto na pauta reivindicatória e rejeitam a contraproposta patronal.

“O lema dessa campanha é ‘Nenhum direito a menos. Só avanços!’. A categoria irá reforçar atos e mobilizações em todas as escolas da Região Metropolitana do Recife e no interior do Estado. Nossa intenção é pressionar os patrões. Queremos avançar nas condições de trabalho e exigimos respeito para os professores. Não havendo avanços nas negociações, poderemos decretar greve por tempo indeterminado”, afirmou o coordenador.

Da Redação do Blog de Assis Ramalho
Fonte: NE 10

Comentários

Publicidade