sábado, 14 de abril de 2018

Pesquisa Datafolha sobre maiores torcidas do país gera discórdia; veja números

Considerando todo o território nacional, a sequência do ranking é a seguinte: Flamengo (18%), Corinthians (14%), São Paulo 8%, Palmeiras 6%, Cruzeiro e Vasco com 4%, Grêmio, Internacional e Santos com 3%, e Atlético-MG com 2%. Bahia, Botafogo, Fluminense e Vitória têm 1% cada. Todos os outros times citados somam, juntos, 8%, e 22% dos entrevistados disseram não torcer para nenhum time.


Estou rindo, mas deveria lamentar. Vi pessoas estressadas por causa da pesquisa Datafolha sobre as torcidas brasileiras. Gente descontente porque, pelo levantamento, o Flamengo é a maior do Brasil, mas perde para o Corinthians no Sudeste. Indignados porque aposta que as maiores são do Grêmio e do Internacional, afinal “tem gaúcho espalhado por todo país”.

O resultado não traz surpresa. Dirija por qualquer estradinha nos confins do Piauí e verá um local com a camisa rubro-negra. Recentemente estive na Amazônia e avistei tremulando num varal duas do Corinthians.

Mesmo assim é interessante ver como dois times do Sudeste são amados em todo o país por gente que talvez nunca tenha acompanhado um jogo in loco ou tido a oportunidade de visitar as cidades onde os clubes são sediados.

Há pesquisas sobre o que leva alguém a torcer por um time, que apontam na mesma direção. A escolha é sempre uma manifestação social. Quando decidem de que lado estarão, tornam-se membros, ainda que não oficiais, da equipe e passam a encarar o sucesso e o fracasso dela como seus. É fácil perceber sofrimento e glória nos torcedores, que não raramente vira fanatismo.


O pesquisador americano Daniel L. Wann dedica sua linha de trabalho à essa área, incluindo agressividade da torcida, o aspecto psicológico de fazer parte de um grupo, as estratégias dos torcedores para superar a má performance nos campeonatos, superstições e a socialização. Uma das conclusões de Wann é que o bem-estar mental está positivamente relacionado à identificação com uma equipe local, mas não com uma distante.

Flamengo e Corinthians podem despontar como favoritos no país, mas é bom lembrar que a maioria dos torcedores fora do eixo Rio-São Paulo tem dois times no coração. O clube da cidade ou do estado, aquele que lhe confere identificação com o lugar onde mora, e aquele para o qual torce motivado por questões que envolvem número de títulos, ídolos e um marketing poderoso. Muitos apoiadores passam a torcer por clubes europeus por causa do nível técnico, das estrelas que têm em campo e da imagem de grupo forte e coeso.

É preciso observar que a escolha do time tem a ver com questões culturais. No Brasil, quase todo mundo apoia algum clube. Na maioria das vezes, um bebê nasce e recebe, além do nome, um time de futebol para torcer. Mas há muitas pessoas que gostam mais do clube com o qual se identificam justamente por uma questão de pertencimento do que do próprio esporte, o qual não acompanham por falta de interesse.

Nos Estados Unidos, país sem tradição, os amantes do esporte acabam optando por times europeus. Um site esportivo fez uma enquete para saber para quem os leitores torciam. Quase sempre por times ingleses, por razões óbvias. Um disse que a cor da camisa do clube era a sua favorita, outro porque teve um professor italiano fanático pela Roma, teve um que conheceu turistas ingleses, fãs do Arsenal, porque o nome do bairro Chelsea é simpático, Liverpool porque os Beatles eram de lá, Newcastle porque dá nome a sua cerveja favorita. O clube mais citado foi o Manchester City, exatamente pelo que você deve estar pensando, por causa da banda Oasis. Realmente, não vejo melhor razão para querer fazer parte de uma comunidade esportiva.

Números da pesquisa
O Datafolha publicou, na sexta-feira, uma pesquisa atualizada sobre as torcidas brasileiras. Realizada nos dias 29 e 30 de janeiro deste ano, o levantamento mostra o Flamengo como clube brasileiro com mais torcedores em todo o território nacional - 18%. O Corinthians vem na sequência, com 14%. Considerando a margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos, há um empate técnico entre os dois clubes.

Na região Sudeste, a maior torcida, segundo a pesquisa, é a do Timão, com 19%. Os rubro-negros somam 14% na região. A situação se inverte em função das regiões Norte e Nordeste, onde a torcida flamenguista leva larga vantagem (37% contra 8% no Norte e 23% contra 9% no Nordeste).

Na Região Sul, a maior torcida registrada é a do Grêmio, com 20% da preferência. O Tricolor é seguido pelo rival Internacional, com 18%. No Centro-Oeste, nova vantagem flamenguista, com 23%. O Corinthians aparece em segundo, com 15%.

Considerando todo o território nacional, a sequência do ranking, após Flamengo (18%) e Corinthians (14%), tem São Paulo com 8%, Palmeiras com 6%, Cruzeiro e Vasco com 4%, Grêmio, Internacional e Santos com 3%, e Atlético-MG com 2%. Bahia, Botafogo, Fluminense e Vitória têm 1% cada. Todos os outros times citados somam, juntos, 8%, e 22% dos entrevistados disseram não torcer para nenhum time.

Folha de S.Paulo


0 comentários:

Postar um comentário