sexta-feira, 2 de março de 2018

Movimentos populares assinam moção de repúdio à venda da Eletrobrás



Uma Moção de Repúdio contra a decisão do Governo do Presidente Temer em privatizar a Eletrobrás e suas subsidiárias, foi assinada hoje (01), em Brasília, pelos membros do Movimento Popular que compõem a estrutura partidária do PSB - o Partido Socialista Brasileiro. A iniciativa aconteceu durante a realização do Congresso Nacional do MPS - Movimento Popular Socialista, que teve o deputado Danilo Cabral como palestrante.

Acompanhado da secretária Nacional do MPS, Maria de Jesus, e do secretário estadual do Movimento pelo Rio Grande do Sul, Elói Frizzo, Danilo debateu sobre a conjuntura política atual, criticando as Reformas Trabalhista e Previdenciária, assim como a decisão do Governo do presidente Temer em privatizar o sistema energético brasileiro.

O deputado foi apoiado por mais de vinte movimentos sociais, como o comunitário, ambiental, cultural, idosos, sem terras e sem tetos. Antes da Palestra, Danilo participou da mesa geral de abertura que reuniu todas as bases sociais do Partido, onde estão as Secretarias da Juventude, Mulheres, Sindical, Negritude, LGBT e os próprios Movimentos Sociais.

Sobre as Reformas, o deputado ratificou sua posição, elencando as consequências e os prejuízos que elas vão causar aos trabalhadores brasileiros. “ A Reforma Trabalhista promoveu foi o enfraquecimento da justiça do trabalho e o trabalho intermitente. As atuais leis trabalhistas existem com o objetivo de assegurar as condições mínimas de dignidade humana aos trabalhadores. O direito ao intervalo intrajornada, respeitando o limite mínimo de uma hora, os limites de horas impostos sobre a jornada diária, as garantias sobre o direito a férias, e as demais previstas pela Constituição e pela CLT, são o mínimo exigido para assegurar o equilíbrio na relação entre o trabalhador e o empregador. É inadmissível, sob qualquer hipótese, que qualquer forma de acordo autorize a redução destes direitos”.

Sobre a Reforma da Previdência, o deputado explicou que os argumentos do Governo do Presidente Temer de que precisa votá-la porque existe um déficit fiscal no sistema previdenciário e ainda porque vai acabar com os privilégios dos mais ricos, não convence. “Queremos discutir esse déficit, mas o Governo se nega a debater esses números. Queremos saber quem são, de fato, os privilegiados. Quem são as empresas que devem ao Sistema Previdenciário do País cerca de R$ 500 bilhões”, alfinetou o deputado, defendendo a transparência e a ampla discussão do tema.

Aplaudido, o parlamentar socialista agradeceu o apoio e reafirmou seu compromisso com os ideais socialistas, colocando-se à disposição para debater e enriquecer o debate em torno de temas que estão em pauta no Congresso e que envolvem toda a população brasileira.


Assessoria de imprensa deputado federal Danilo Cabral


0 comentários:

Postar um comentário