sábado, 2 de dezembro de 2017

Qualificação profissional e enfrentamento à violência pautam evento da Comissão da Mulher em Paulista


AUDIÊNCIA – Durante encontro, mulheres beneficiadas pela iniciativa narraram a importância da geração autônoma de renda para o segmento (Foto: Sabrina Nóbrega/Alepe)
A importância de políticas públicas de qualificação profissional para mulheres e o combate à violência de gênero foram discutidas em Paulista (Região Metropolitana do Recife), na última quinta-feira (30), em evento itinerante promovido pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Alepe, em conjunto com a prefeitura local. Durante a atividade, realizada no auditório da Faculdade Joaquim Nabuco, mulheres que participaram de cursos de qualificação disponibilizados pelo município relataram como a geração autônoma de renda ajuda a mudar suas vidas.

“Depois dos 50 anos, o emprego fica muito difícil para nós mulheres. Com esses cursos, a gente ganha autoestima, fica mais segura e adquire experiência para não ter que ficar só cuidando da casa, do filho ou do marido”, conta Tereza Malaquias, que realizou capacitação para produzir itens de moda praia e de cama, mesa e banho.

“A cultura patriarcal faz com que a mulher fique ligada apenas ao domínio doméstico, e por isso acaba não adquirindo experiência no mercado de trabalho. Por isso temos que chegar até elas com essa qualificação”, explica a secretária executiva de Políticas para as Mulheres de Paulista, Bianca Pinho Alves. O programa, batizado de “Lugar de Mulher é na Qualificação Profissional”, já capacitou 1.175 mulheres no município, segundo a gestora.

A líder comunitária Rita da Paz, por exemplo, trabalha como voluntária do programa de qualificação da prefeitura, junto com mulheres do bairro do Fragoso. “Já que não tem como sustentar os filhos, uma mãe, muitas vezes, fica dependendo de um marido opressor. Os cursos beneficiam muitas mulheres que estão desempregadas e sofrendo violência familiar”, relata a voluntária, que coordena um grupo de produção de vassouras através da reciclagem de garrafas PET.

“Levamos essas capacitações também para dentro das comunidades, porque muitas vezes nosso público nem poderia vir para o centro de Paulista. Também fornecemos insumos e maquinário para a produção, para que essas mulheres tenham oportunidade de começar”, conta Bianca Pinho Alves. Por conta dessas políticas, a Prefeitura de Paulista foi agraciada com o Prêmio Prefeitura Amiga das Mulheres de 2016.

Também há opções de capacitação para postos que não costumam ser associados às mulheres, como auxiliar de pedreiro, assentadora de cerâmica, pintora imobiliária, eletricista predial e eletricista de automóveis. “A sociedade machista acha que só homens podem ser pedreiros, mas estamos quebrando esse paradigma”, fala a secretária.

Violência – A formação das mulheres contra a violência também foi destacada na audiência. A deputada Simone Santana (PSB), presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Assembleia, fez uma apresentação sobre como o ciclo da violência pode ser quebrado. “Esse processo começa com a violência patrimonial ou psicológica, até chegar à agressão física. Mas aí ocorre o perdão ao agressor, e o ciclo recomeça”, analisou a deputada.

“O conhecimento é fundamental para as mulheres poderem dizer não a esse tipo de violência. Por isso, programas como os que falam sobre a Lei Maria da Penha nas escolas são tão importantes”, analisa a parlamentar. Ela ressaltou que, além da dependência financeira, as mulheres precisam superar a dependência psicológica para escapar desse ciclo. “Não se desconstrói essa cultura patriarcal do dia pra noite numa mulher que foi criada nessa cultura”, avalia Santana.

“Temos um trabalho de conscientização sobre a Lei Maria da Penha em toda a rede escolar, o que provoca uma grande mudança na visão de crianças e adolescentes sobre o assunto”, ressalta Bianca Pinho Alves. Ela destacou que esse trabalho de formação também é feito nas iniciativas de qualificação profissional e que vai chegar, a partir de agora, também na rede de saúde do município.


Alepe


0 comentários:

Postar um comentário