domingo, 12 de novembro de 2017

Políticos comentam pouco a morte do vereador de Batalha Neguinho Boiadeiro


Conhecido como um dos homens mais temidos da região de Batalha, Neguinho Boiadeiro (PSD) foi assassinado a tiros após deixar a Câmara de Vereadores e entrar em seu carro, na manhã de quinta-feira, 9 de novembro.

Dois homens aguardavam a saída de Neguinho Boiadeiro e dispararam por diversas vezes em direção ao veículo do vereador. Boiadeiro tinha 61 anos e presidia a sessão da Câmara de Vereadores do Município. Além dele, mais duas pessoas ficaram feridas após os disparos. São eles: Joaquim Lins “Pirauá”, de 55 anos, Policial Civil que seria segurança do vereador assassinado, e José Elson Oliveira da Silva, de 26 anos, apontado como assessor de Neguinho.

O fato gerou reação quase imediata por parte de familiares do vereador. José Emílio Dantas foi baleado em sua casa poucos instantes depois.


O tiroteio que tomou conta da cidade de Batalha é reflexo de uma briga familiar que já dura ao menos 18 anos entre os Dantas e os Boiadeiro. Em março de 1999, o então prefeito da cidade, José Miguel Rodrigues Dantas – conhecido como Zé Miguel – foi assassinado a mando de José Laércio Rodrigues de Melo – conhecido como Laércio Boiadeiro, sobrenome adotado pela família.

A esposa de Zé Miguel, que era irmão do presidente da Assembleia Legislativa Estadual (ALE) Luiz Dantas (PMDB), Matilde Toscano, também foi assassinada.

O motivo do assassinato que desencadeou a guerra familiar no Sertão alagoano teria sido disputa por terra e pelo poder de mando na cidade.

RODA POLÍTICA

É natural quando um político morre em Alagoas que haja uma reação devido às causas de sua morte.

Com a execução de Neguinho Boiadeiro, poucos políticos se manifestaram sobre o assassinato ou prestaram suas condolências aos familiares em suas redes sociais ou comunicados à imprensa.

Durante o velório do vereador em Craíbas, estiveram presentes, o deputado Inácio Loiola e o prefeito de Estrela de Alagoas, Arlindo Garrote.

Suplente aguarda para assumir cargo

Com o assassinato de Neguinho Boiadeiro, quem assume a sua cadeira na Câmara de Vereadores de Batalha é o suplente Erico Rodrigues de Almeida, o Quinca Douca (DEM). Ele terá pouco mais de três anos para exercer o mandato. A Mesa Diretora da Câmara deve informar quando será a sua posse. Douca disputou o cargo de vereador e com o resultado das urnas acabou na primeira suplência. O então candidato apoiou Renata Douca, adversária de Marina Dantas, atual prefeita.

Fonte: Tribuna Independente / Editoria de Política
Em Tribuna Hoje - AL


0 comentários:

Postar um comentário