terça-feira, 7 de novembro de 2017

Comerciante salva iguana de cativeiro e entrega animal à CPRH

Réptil, aparentemente prestes a colocar ovos, foi encaminhado ao Cetas Tangara, onde será tratado e, em breve, devolvido à natureza (Foto: CPRH/Divulgação)

A iniciativa do comerciante Paulo Pedro da Silva, 48 anos, morador do bairro da Guabiraba, Zona Norte do Recife, foi fundamental para que uma iguana tenha a garantia de recuperar em breve a liberdade. Durante caminhada pelo bairro, na manhã desta terça (7), ele cruzou com um adolescente carregando o réptil preso pelo pescoço por fios de nylon. Perguntou para onde o rapaz ia levá-lo e a resposta indignou o comerciante. “Ele me disse que pretendia vender a iguana por R$ 15 para alguém que quisesse criá-la. Ofereci R$ 10 para salvá-la do cativeiro. Ele terminou aceitando e eu vim deixar o animal”, resumiu Paulo Pedro, ao fazer a entrega voluntária à Agência Estadual do Meio Ambiente (CPRH), em Casa Forte, no final da manhã.

O encontro inusitado ocorreu nas proximidades do Centro de Treinamento (CT) Wilson Campos, do Clube Náutico Capibaribe. O comerciante disse que não consegue entender a razão de ainda haver pessoas que criam animais silvestres em cativeiro, quando eles devem viver livres. E que, no caso da iguana, o que mais o incomodou foi o fato de ela estar, aparentemente, perto de colocar ovos, período em que o animal fica muito fácil de ser capturado . Daí não hesitou em fazer a sugestão ao adolescente, de forma a garantir que o animal retome em breve a vida em liberdade.

“Me senti como um beija-flor apagando um incêndio na floresta, mas certo de que fiz a minha parte. Os animais têm que viver livres. Você já imaginou: o passarinho, ao invés de buscar seu alimento nas matas, ficar esperando, em cativeiro, que alguém decida a hora e o que ele deve comer?”, indagou, antes de lembrar cenas que, admitiu, o emocionaram bastante na televisão: a de pessoas tentando salvar baleias que encalharam no litoral Sul do Rio, há alguns meses. “Muito triste”, disse.

A iguana foi encaminhada, nesta tarde, para o Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), da CPRH – que fica também no bairro da Guabiraba – , onde passará por um período de reabilitação, antes de ser devolvida à natureza. Com ela, foram outros três animais, também entregues na manhã desta terça à CPRH: outra iguana, macho, que um motorista encontrou no quintal de sua casa, nos Coelhos; um cágado de água doce, com o casco quebrado, que uma moradora de Dois Irmãos encontrou; e uma ave bacurau (Nyctidromus albicollis), com a asa direita fraturada, trazida por gestores da Reserva de Vida Silvestre (RVS) Matas do Sistema Gurjaú.

Núcleo de Comunicação Social e Educação Ambiental - NCSEA
Agência Estadual de Meio Ambiente - CPRH


0 comentários:

Postar um comentário