quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Secult-PE decide acatar pedido de tombamento da Casa de Capiba

Processo agora será conduzido pela Fundarpe, que fará levantamento histórico e cultural e depois encaminhará para Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural

A Secretaria de Cultura de Pernambuco (Secult-PE) acatou o pedido para tombamento da casa de número 369, na Rua Barão de Itamaracá, no bairro do Espinheiro (Recife), onde morou o compositor Lourenço da Fonseca Barbosa, o ilustre Capiba (1904-1997). Nos próximos dias será publicado edital para abertura do processo de tombamento. A Fundarpe – órgão ligado à Secult-PE, responsável por análises na área de patrimônio – fará todo levantamento cultural e histórico do imóvel e encaminhará o documento para o Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural, que aprofundará a análise e emitirá o parecer definitivo sobre o tombamento. De todo modo, pela lei de proteção do estado a bens materiais, o imóvel encontra-se protegido durante todo processo, como se já tombado estivesse.

A presidente da Fundarpe, Márcia Souto, explica que a análise da instituição - que fundamentou o acatamento do pedido pela Secretaria de Cultura - considerou a dimensão simbólica e o valor imaterial do imóvel. “A dimensão do seu valor se dá porque ali morou um ícone da cultura pernambucana e brasileira, que foi Capiba”, diz a gestora.

Ela ressalta ainda que, em 2013, reconhecendo a relevância cultural e histórica da obra de Capiba, a Fundarpe já havia feito o arrolamento de todo o seu acervo, composto por mais de cinco mil peças, entre objetos pessoais, partituras, discos, livros, DVDs, troféus, placas, etc.

A Casa onde morou Capiba também se encontra em processo de desapropriação pelo Governo de Pernambuco, por meio da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e Secretaria de Administração. “O que já está certo, e que foi motivo para a desapropriação por parte do Governo, é que o imóvel servirá para salvaguardar a memória artística pernambucana, através da arte deste ícone da nossa cultura, Capiba”, diz Márcia Souto.

Confira abaixo imóveis que já contam com proteção estadual (tombados) e que foram moradia de nomes ilustres de nossa história:

1. Ambientes de Origem e Memória de Luiz Gonzaga do Nascimento (Luiz Gonzaga) – O Rei do Baião, composto pela antiga Casa de Januário na Vila da Fazenda Araripe e pelo Parque Aza Branca (Exu)

2. Antiga Casa Rural do ex-Governador Dr. José Rufino Bezerra Cavalcanti, Com terreno respectivo medindo 16.990m², na antiga Usina José Rufino – (Cabo de Santo Agostinho)

3. Casa da Rua da Imperatriz, 147, onde nasceu Joaquim Nabuco, na Boa Vista (Recife)

4. Casa do Cardeal Arcoverde, antiga Fazenda Fundão. (Arcoverde)

5. Casa do Conselheiro João Alfredo - Ampliação do perímetro do Engenho São João – (Itamaracá)

6. Casa Grande e Jardim do Coronel (Paulista)

7. Casa n° 143 da Rua Vidal de Negreiros, Pátio do Terço, bairro de São José, Cidade do Recife - "Casa De Badia" (Recife)

8. Casa natal de Oliveira Lima, 813, Boa Vista (Recife)

9. Casa nº 263 da Rua da União, Boa Vista, onde viveu o Poeta Manuel Bandeira (Recife)

10. Sobrado Grande da Madalena, na Praça João Alfredo, atual Museu da Abolição, que foi a casa do Conselheiro João Alfredo (Recife)

11. Vivenda Santo Antônio de Apipucos, a casa de Gilberto Freyre e Sítio paisagístico ao seu redor (Recife)

Assessoria de Comunicação
Secretaria de Cultura de Pernambuco
Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco - Fundarpe


0 comentários:

Postar um comentário