domingo, 3 de setembro de 2017

Velha Petrolândia, uma saudade que não passa: História da Estação do Trem e do Cais Dom Pedro II


Estação de Petrolândia em 1959, com um trem de composição de carga que acompanhava na época as duas viagens semanais do trem misto que ligava Petrolândia a Piranhas, em Alagoas, pela margem esquerda do rio, tentativa do tempo do Império de ligação do sistema fluvial do rio São Francisco com o mar, já que não se poderia utilizar o curso d'água na área das cachoeiras de Itaparica e Paulo Afonso e do profundo canyon que vai até perto daquela cidade alagoana (Folha da Manhã, 5/7/1959). 

Cais Dom Pedro II, junto à estação ferroviária, em foto publicada em 1958.

Em frente à estação estava o cais onde atracariam as embarcações a vapor para a integração "ferrovia-hidrovia". Havia também um barracão que servia como garagem para as locomotivas, carros e vagões. Em fins de 1964, a estação e a cidade que então existia eram relatadas assim em uma reportagem da época: "Petrolândia foi uma das primeiras cidades ribeirinhas a receber a energia de Paulo Afonso. Mas essa energia não representou para Petrolandia o mesmo motivo de progresso que foi para outras cidades do vale. Petrolandia parece que parou no tempo. A estação de trem, com vagões que evocam a conquista do Oeste americano, a velha locomotiva esquecida na gare (...)" (Folha de S. Paulo, 31/10/1964). A nova cidade de Petrolândia foi reconstruída próxima à antiga.

A estação de Jatobá foi inaugurada em 1883, como ponta de linha da E. F. Paulo Afonso, condição que manteve durante toda a vida ativa da ferrovia. Chamou-se, por algum tempo, Itaparica, e finalmente Petrolândia. Foi demolida pela CHESF juntamente com toda a cidade de Petrolândia, meses antes do enchimento do reservatório de Itaparica, em fevereiro de 1988.

Blog de Assis Ramalho
Por Estações Ferroviárias do Brasil


0 comentários:

Postar um comentário