sexta-feira, 21 de julho de 2017

Petrolândia: Mulheres da comunidade Quilombolas Negros de Betinho da Agrovila 04 da Reta participam do I Encontro de Mulheres Negras do Sertão do São Francisco


Petrolina sediou nesta quinta-feira, 20 de julho, o 1º Encontro de Mulheres Negras do Sertão do São Francisco, em Petrolina. O evento foi realizado no Sest/Senat, Bairro KM-2, das 8h às 18h, e contou com apresentações culturais, palestras, oficinas, exposições artísticas, estandes de artesanato e culinária regional.

O evento tambem teve a participação de mulheres da comunidade Quilombolas "Negros de Betinho", situado na Agrovila 04 da Reta, no Projeto Barreiras, no município de Tacaratu, limite com o município de Petrolândia.

Também presente ao evento a Professora Jussara Araújo, da Escola EREM Maria Cavalcanti Nunes, de Petrolândia, e Tailane - líder das Crespas e Cachiadas.

A coodernaçao das mulheres quilombolas da comunidade agradece a Prefeitura Municipal de Petrolândia, por meio da prefeita Jane e a secretária de Educação Alexandrina. Tambem agradece a Júnior e kênio, diretores de transporte Escolar.

O encontro foi alusivo ao ‘Julho das Pretas’, mês destinado para elaboração e implementação de uma agenda comum de intervenções que buscam dar visibilidade à luta das mulheres negras, em referência ao Dia Internacional da Mulher Afro Latino-Americana e Afro-Caribenha (comemorado em 25 de julho).

As atividades realizadas no Julho das Pretas buscam ampliar parcerias, dar visibilidade à luta, às ações, promoção e valorização do debate e da identidade das mulheres negras brasileiras em nível estadual e municipal.


A construção e validação dessa agenda em Petrolina propõe, segundo os organizadores, além de discutir a programação de atividades e ações de mulheres negras sertanejas, debater amplamente o perfil, as problemáticas e as prioridades dessas mulheres em todo território do Sertão do São Francisco.

O objetivo é efetivar ações que incluam as mulheres quilombolas, trabalhadoras rurais e ribeirinhas na cidade, como ponto de reafirmação e resistência das mulheres negras, visibilizando suas vivências, lutas e histórica, que no interior ficam em segundo plano em decorrência das tentativas de apagamento da memória e conquistas das mulheres negras.

A Rede de Mulheres Negras de Pernambuco é fruto da Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo, a Violência e pelo Bem Viver, que teve seu evento de culminância realizado em 18 de novembro de 2015, em Brasília (DF), mas iniciada em 2011, em Salvador (BA), durante o Encontro Ibero-Americano do Ano dos Afrodescendentes.

No Brasil, a população feminina ultrapassou 103 milhões em 2014. Em Pernambuco, as negras são quase 64% da população feminina – mais de 3 milhões. Para essa faixa de público, o racismo e o sexismo são ainda mais fortes, colocando essas mulheres em um cenário de desigualdade, no qual indicadores socioeconômicos apontam para as precárias condições em que a grande maioria vive.

Blog de Assis Ramalho
Fotos: Quilombolas "Negros de Betinho"


0 comentários:

Postar um comentário