quinta-feira, 20 de julho de 2017

Manifestação sai em defesa de Lula e de direitos dos trabalhadores na área central do Recife

Manifestação ocorre no Parque 13 de Maio

Centrais sindicais e movimentos sociais se reúnem, na manhã desta quinta-feira (20), no Parque 13 de Maio, na área central do Recife, em defesa dos direitos dos trabalhadores e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – condenado na última semana a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz federal Sergio Moro. O processo se refere ao apartamento tríplex no Guarujá.

Na manifestação, os participantes carregam faixas, bandeiras e cartazes. Entre os movimentos que marcam presença no ato, o MST, a CUT e entidade ligada aos bancários, além de políticos locais. No momento, o grupo fecha a Rua Princesa Isabel.

Para o presidente da CUT-PE, Carlos Veras (PT), o ato desta quinta é de resistência. “Em defesa da democracia, em defesa dos direitos da classe trabalhadora. Contra todos esses ataques que estão sendo promovidos pelo golpista do Michel Temer e seus aliados. E também em defesa do Lula. O Lula foi perseguido, foi condenado na ditadura e agora, novamente, por um juiz do PSDB. Um juiz que vem perseguindo o presidente enquanto deixa a mulher de Cunha livre”, disparou.


O presidente do PT de Pernambuco, Bruno Ribeiro, por sua vez, afirmou que os atos como o desta quinta são importantes porque são representativos de uma reação da Frente, do PT e de outros partidos em relação “a tudo que a gente vem assistindo nos últimos anos, particularmente de um ano para cá”.

O dirigente partidário criticou a aprovação recente da reforma trabalhista e a decisão do juiz Sergio Moro de confiscar R$ 606 mil do ex-presidente Lula. Ele chamou a ofensiva de absurda contra o cacique-mor do PT. “Eles querem assediar a imagem política e na vida pessoal. Qualquer cidadão não pode estar a mercê de autoridades exercerem convicções políticas e ideológicas para assediá-lo. É isso que estamos vendo no País. Ou seja, o que acontece com Lula, como o que aconteceu com Dilma, às vezes na história o que acontece com as lideranças simboliza o que está acontecendo com seu povo. Com Dilma, destituíram Dilma e destituíram o povo do poder de decidir. Agora, essa ofensiva com Lula é para interditar o futuro e as decisões soberanas do povo. Assim foi na África do Sul com Mandela, 27 anos preso para eternizar o ‘apartheid’. Isso tem se reproduzido em outros momentos”, disse Ribeiro.

Blog de Assis Ramalho
Com informações de Ulysses Gadêlha, da Folha de Pernambuco.


0 comentários:

Postar um comentário