quinta-feira, 13 de julho de 2017

CPRH recebe animais silvestres repatriados do Ceará

Há no grupo animais vítimas do tráfico e também uma preguiça que foi encontrada andando perto de Fortaleza, a pelo menos 700 quilômetros do seu habitat natural (Fotos: Divulgação/CPRH)

Uma preguiça fêmea, adulta, e mais 15 animais silvestres – entre aves e jabutis – foram repatriados, nesta terça-feira (11), do Ceará para Pernambuco. Depois de cuidados pela unidade do Ibama no Ceará, eles serão acompanhados no Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), antes de serem devolvidos à natureza.

A preguiça (Bradypus variegatus) foi encontrada, há três semanas, andando numa rua próxima a uma praça de Eusébio, município da Região Metropolitana de Fortaleza. Estava com ferimento numa das mãos e foi recolhida pela Polícia Ambiental, que a encaminhou ao Centro de Triagem Animais Silvestres de Fortaleza, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama).

Entre os demais repatriados – sete jabutis-piranga (Chelonoides carbonara), quatro periguitões-maracanãs (Psittacara leucophthalmus) e quatro jandaias-verdadeira (Aratinga jandaya) –, há animais apreendidos em ações de fiscalização contra o tráfico e outros entregues voluntariamente a agentes ambientais cearenses. Todos passaram por um período de tratamento no Cetas do Ibama em Fortaleza, antes de enfrentarem os 778 quilômetros da viagem para o Recife.

O grupo foi entregue ao Centro de Triagem da CPRH no final da tarde desta terça, trazido em uma toyota. Os animais foram repatriados para Pernambuco porque são típicos de áreas de Mata Atlântica (bioma não encontrado completamente no Estado vizinho) e, no caso específico dos jabutis, de matas brasileiras. Há áreas de solturas dessa espécie de jabuti monitoradas pela CPRH no sertão pernambucano, inclusive com a ocorrência recente de reproduções. Para sobrevivência das espécies, os animais silvestres devem ser soltos em áreas onde terão mais condições de reprodução.

A preguiça encontrada na Região Metropolitana de Fortaleza chamou muita atenção na cidade, por tratar-se de um mamífero de movimentos lentos, sem ocorrência no Ceará. Não é uma espécie considerada em extinção, mas enfrenta muitos problemas na luta pela sobrevivência – as queimadas, por exemplo.

Núcleo de Comunicação Social e Educação Ambiental - NCSEA
Agência Estadual de Meio Ambiente - CPRH


0 comentários:

Postar um comentário