sábado, 7 de janeiro de 2017

Prefeito de Araripina contabiliza quase R$30 milhões em dívidas herdadas da gestão anterior


Uma herança que já chega a quase R$ 30 milhões foi o que recebeu o prefeito de Araripina, principal cidade do sertão do Araripe, Raimundo Pimentel (PSL). O balanço foi anunciado pela secretaria de Finanças na tarde desta sexta-feira, 6. Conforme o titular da pasta. o secretário Sinval Ferreira, a dívida soma atraso na folha de pagamento de funcionários ativos e inativos, só na Educação são duas folhas em atraso, novembro e dezembro; débitos com fornecedores e pagamentos que a gestão anterior agendou para o último dia útil do ano que seriam pagas no agora no começo de 2017.

“Para exemplificar o descontrole das contas públicas feito pelo prefeito anterior, era necessário que as finanças da Prefeitura aportassem a mais cerca de R$ 1 milhão de reais por mês para pagar a folha salarial da educação (Fundeb 60 e Fundeb 40). Uma rígida auditoria será feita para averiguar as irregularidades cometidas nos últimos quatro anos”, informou Sinval Ferreira.

O secretário que concluiu o levantamento parcial das dívidas herdadas, ainda calcula um rombo de mais de R$ 22 milhões no Arariprev, o fundo previdenciário dos servidores públicos de Araripina. ‘Não houve nenhum recolhimento para a previdência do servidor público de Araripina nos últimos quatro anos. Além do passivo, também ficou em atraso o total da folha de pagamento de dezembro e parte da folha de novembro gerando mais R$ 1,3 milhão em débitos‘, relatou Ferreira.

O secretário informou que diferente de agora com o prefeito Raimundo Pimentel, o gestor anterior Alexandre Arraes recebeu o ArariPrev em 2012 com saldo positivo de R$ 850 mil, “conforme afirmou o interventor de Araripina, Coronel Adalberto Freitas”, revelou o titulas das Finanças de Araripina.

Ajuste

Como medidas para garantir a estabilidade fiscal e os pagamentos referentes ao mês de janeiro, todas as gratificações foram retiradas e mais de 50 cargos comissionados foram extintos apenas na Secretaria de Educação. Um exemplo disto, na Autarquia Educacional do Araripe – Aeda, a retirada das gratificações vai gerar uma economia mensal de R$ 40 mil reais.

“A nossa estimativa é que todas estas medidas causem uma economia mensal de R$ 350 mil que serão usados em áreas fundamentais como infraestrutura e saúde“, concluiu Sinval Ferreira.(Ascom)


0 comentários:

Postar um comentário