terça-feira, 18 de outubro de 2016

Mais de 20 mil pernambucanos atingidos pela seca são beneficiados com ação da Codevasf

São 1.186 poços perfurados e instalados em 49 municípios, um investimento de cerca de R$ 34 milhões em comunidades rurais difusas (Foto: Frederico Celente/Codevasf)

Sertão do Araripe, Sertão do Moxotó, Agreste, Sertão do São Francisco. É para estes territórios do semiárido pernambucano castigados pelas estiagens prolongadas que a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) está levando a água retirada de poços artesianos que vêm dando alívio a uma população de quase 20 mil pessoas.

São 1.186 poços perfurados e instalados em 49 municípios, um investimento de cerca de R$ 34 milhões do Orçamento Geral da União destacados por emendas parlamentares e recursos federais destinados à Codevasf visando a universalização do acesso água em comunidades rurais difusas.

Os poços perfurados e instalados pela Codevasf no semiárido de Pernambuco são uma tecnologia de convivência com a seca que se divide em dois tipos: poços sedimentares ou cristalinos. Os sedimentares são perfurados nos locais que possuem manchas de sedimentos (arenito, calcário), escavados a profundidades que podem variar de 100 a 200 metros, e fornecem grandes volumes de água oriunda do lençol freático. A captação da água é feita por meio de motobombas de alta potência.

A água captada do poço, segundo explica Elijalma Augusto, engenheiro civil da Codevasf em Petrolina (PE), é direcionada através de uma boia para um reservatório – que funciona como um chafariz de onde a comunidade recolhe a água usando diversos tipos de recipientes –, e para um bebedouro, onde é consumida por animais. Há poços desse tipo instalados também nas imediações de escolas rurais.

Elijalma Augusto informa que, na região de Pernambuco atendida pela 3ª Superintendência Regional da Codevasf, existem diversas bacias sedimentares, sendo as maiores as de Jatobá, de Araripe e de São José de Belmonte; e outras menores, como as de Cedro, Tupã-Nancy, Araras e Fátima.

O outro tipo de poço, o cristalino, é perfurado e instalado em regiões de subsolo rochoso, entre 50 a 70 metros de profundidade, e a água é captada das fendas nas rochas, onde se acumula. O volume é menor, e a captação é feita por catavento ou por bomba submersa.

Reservatórios

Em 37 municípios do sertão de Pernambuco, 38,5 mil famílias contam, em meio à estiagem, com o abastecimento de água via carros-pipa graças a uma outra tecnologia de convivência com a seca que também teve instalação feita pela Codevasf: as cisternas, reservatórios de polietileno com capacidade de armazenar 16 mil litros de água.

A agricultora Joseilza Souza Ferreira, que vive no Assentamento Cacimba dos Sonhos, atesta que a vida da família melhorou. “Os filhos e netos têm uma vida melhor. Podemos tomar banho e fazer comida com a água do reservatório”, diz Joseilza. No Assentamento Mandacaru, também localizado na área rural de Petrolina, o agricultor Benedito do Nascimento afirma que vai começar usar a água da cisterna para cultivar uma pequena horta.

O coordenador da ação na 3ª Superintendência Regional da Codevasf, Ivolnaldo Lacerda, destaca que as cisternas de consumo humano de água abastecem uma família de cinco pessoas por até seis meses no período da estiagem com água de qualidade para beber, fazer comida e para a higiene da rotina doméstica.

Monitor de Secas

O relatório mais recente do Monitor de Secas da Agência Nacional de Águas (ANA) informa que as poucas chuvas ocorridas no mês de agosto colaboraram para o agravamento da seca em Pernambuco. De acordo com o sistema, houve expansão da área com seca excepcional nas mesorregiões do Sertão e Agreste, e segue predominando no estado a seca com intensidade extrema.

Os impactos da estiagem no estado, segundo o monitor, permanecem de curto e longo prazo em todo Sertão e Agreste, mas também tiveram um pequeno avanço pela Zona da Mata. Apenas numa estreita faixa ao longo litoral pernambucano, abrangendo a mesorregião Metropolitana do Recife e parte da Zona da Mata, os impactos permaneceram de curto prazo. Saiba mais em http://monitordesecas.ana.gov.br/ .

Codevasf


0 comentários:

Postar um comentário