terça-feira, 13 de setembro de 2016

Reunião na ANA indica cenário de poucas chuvas na bacia do São Francisco

Hidrelétrica de Xingó (Foto: João Zinclar/CBHSF)

A crise hídrica que atinge o País e a bacia do rio São Francisco nos últimos anos motivou mais uma reunião na Agência Nacional de Águas (ANA), em Brasília (DF), nesta segunda-feira (12 de setembro) para avaliação dos impactos provocados pela vazão reduzida. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) voltou a defender a redução da vazão do Velho Chico, a partir do reservatório de Sobradinho, na Bahia, de 800 para 700 metros cúbicos por segundo (m³/s), mas a questão só deverá ser definida no dia 26 de setembro, quando acontecerá nova reunião do grupo.

O vice-presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), Wagner Soares Costa, participou da reunião por videoconferência, em Belo Horizonte (MG), na sede da agência delegatária do Comitê, a AGB Peixe Vivo. Os órgãos responsáveis apresentaram dados que indicam poucas chuvas até o dia 21 de setembro e indicativo de um período chuvoso apenas a partir de 15 de outubro. “Isso aponta para uma situação de alerta para todos, especialmente para as captações para o abastecimento humano”, avaliou Wagner Costa.

Até a próxima reunião na ANA o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) deverá emitir estudo sobre como ficaria o rio São Francisco com esse novo patamar de vazão. No mesmo período, a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) vai procurar analisar o impacto provocado pela medida aos usuários e o quanto afetaria o abastecimento.

ASCOM – Assessoria de Comunicação do CBHSF


0 comentários:

Postar um comentário