terça-feira, 27 de setembro de 2016

PF destrói 36 mil pés de maconha que tinham até sistema de irrigação em PE

Área verde mostra plantio de maconha com sistema de irrigação foi erradicado pela Polícia Federal em Pedra (Foto: Divulgação/Polícia Federal)

Um total de 36 mil pés de maconha foram destruídos em uma fazenda localizada em Pedra, no Agreste de Pernambuco. O caso ocorrido no dia 20 de setembro foi divulgado na manhã desta terça-feira (27) pela Polícia Federal. De acordo com a PF, dois homens foram detidos no local, suspeitos de cultivar o plantio e montar uma tubulação de 2 km para irrigar os pés de maconha.

O sistema da irrigação funcionava por meio de bombas elétricas "que passavam por poços em sequência que retiravam água da Barragem do Riacho do Pau até chegar nas plantações", conforme detalhou a Polícia Federal.

Ainda segundo a PF, foi constatado que o plantio "foi implantado com eficientes técnicas de preparo do solo e de cultivo, com o uso de adubação química e de vários implementos agrícolas. Isto demandou um grande investimento financeiro, a maior parte bancado pelo proprietário da fazenda".

Toda a plantação foi incinerada junto com 120 Kg da droga - que estavam dentro de sacolas. De acordo com a Polícia Federal, caso os 36 mil pés fossem colhidos e prensados, daria para se fazer 12 toneladas de maconha.

Um agricultor de 26 anos foi encontrado trabalhando na plantação de maconha. Ele foi autuado em flagrante e levado para o Presídio Advogado Brito Alves, em Arcoverde.

O dono do plantio e da fazenda - um homem de 43 anos - chegou a ser levado para a unidade prisional, mas foi solto e responderá pelo processo em liberdade. Além da dupla, três pessoas que participavam do cultivo da droga foram identificadas e serão indiciadas por tráfico e associação para o tráfico, de acordo com a PF.

Caso sejam condenados, os envolvidos podem pegar uma pena que varia de cinco a 15 anos de reclusão. Os detidos foram levados para realizar exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML).

G1 Caruaru


0 comentários:

Postar um comentário