terça-feira, 6 de setembro de 2016

Obra da Codevasf vai fortalecer desenvolvimento da piscicultura no Médio São Francisco baiano

Foto: Divulgação/Codevasf

A partir de março de 2017, o desenvolvimento da piscicultura no semiárido da Bahia contará com um promissor impulso: esse é o prazo previsto para conclusão das obras de reforma e ampliação do Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Xique-Xique, da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

O investimento de aproximadamente R$ 4 milhões propiciará completa modernização do espaço, aumento da capacidade de produção de alevinos, cultivo de pelo menos cinco novas espécies; além de crescimento do volume de capacitações, de produção científica e de parcerias firmadas.

“Será um dos melhores centros da Bahia, talvez do Nordeste, em termos de infraestrutura para desenvolvimento da piscicultura”, afirma Sérgio Farias, técnico da 2ª Superintendência Regional da Codevasf, sediada em Bom Jesus da Lapa, e fiscal da obra. “Teremos aqui todo tipo de equipamento de última geração, aquilo que existe de mais moderno com relação à aquicultura”, garante.

As obras têm, até o momento, execução de 20%. O prédio da administração já está em reforma e ampliação, com a construção de um prédio anexo que terá um novo laboratório e uma sala de aula. Também está em execução a construção de dois alojamentos, auditório, depósito de ração, estação de reuso, garagem e uma nova portaria. Estão sendo instalados 24 novos tanques, além dos 33 já existentes, incluindo o tanque pulmão. O local ainda está sendo urbanizado, com serviços de pavimentação, calçamento e o plantio de árvores.

Espécies nativas e exóticas

No ano de 2015, foram produzidos no centro cerca de 62 mil alevinos de espécies nativas do rio São Francisco, e outros 540 mil alevinos de espécies exóticas. Ao todo, desde 2012, foram produzidos 372 mil alevinos nativos e 2,23 milhões exóticos. Entre as principais espécies cultivadas atualmente estão curimatã pacu, curimatã piau, tambaqui e tilápia.

Após a conclusão da ampliação, espera-se que sejam cultivadas também as espécies piau, surubim, matrinxã, pacamã e dourado. Também é esperado um aumento no número de capacitações em técnicas de criação de peixes, na produção científica, na quantidade de estudantes de todos os níveis que realizam aulas práticas no espaço, e no número de parcerias com outras instituições.

Tecnologia e pesquisa

O Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Xique-Xique foi criado em 2009. Ele fica localizado no povoado de Nova Iguira, no município de Xique-Xique (BA), e conta com uma área total de 10 hectares. As estações de piscicultura foram transformadas em centros integrados em 2007, o que ampliou as ações da unidade.

“O centro de Xique-Xique realiza importante papel de inclusão produtiva no semiárido baiano ao manter e operar unidades de capacitação em piscicultura de tanques-rede instalados em municípios da região, ação que beneficia centenas de produtores familiares e artesanais, com geração de renda numa região cuja produção agrícola é muitas vezes afetada pelas estiagens prolongadas”, destaca Walber Santos, gerente de Desenvolvimento Territorial da Codevasf.

Entre as principais atividades desenvolvidas estão o desenvolvimento de pesquisas e tecnologias de reprodução, larvicultura e alevinagem de espécies de peixes nativas, produção de alevinos para o repovoamento de mananciais, ações de educação ambiental, capacitação em piscicultura dos tanques-rede instalados em municípios da região, captura e preparação de plantel de matrizes, monitoramento da qualidade da água, além de visitas técnicas para o acompanhamento de ações da Codevasf.

A Codevasf também apoia unidades de capacitação em tanques-rede em outros municípios do Médio São Francisco baiano, como Angical, Bom Jesus da Lapa, Carinhanha, Formosa do Rio Preto e Guanambi.

Ao todo, a Codevasf possui sete Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura em sua área de atuação no país. “Além de promoverem a recomposição da ictiofauna dos rios com os peixamentos, os centros apoiam a inclusão produtiva por meio de capacitações, fomento e incentivo à criação de peixes em tanques-rede e viveiros escavados, o que possibilita o surgimento de pequenos aquicultores e também reduz o esforço de pesca sobre algumas espécies mais visadas, ajudando a garantir a manutenção dos estoques pesqueiros”, observa o chefe da Unidade de Pesca e Aquicultura da Codevasf, Leonardo Sampaio.

Codevasf


0 comentários:

Postar um comentário