sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Ponto a ponto debate atividade empreendedora


O excesso de burocratização e a falta de capacitação são dois dos principais entraves ao crescimento da atividade empreendedora no país. Estas são algumas das conclusões de Newton Campos, Doutor e professor de empreendedorismo da FGV e que é o entrevistado da de Mônica Bergamo e Antonio Lavareda no Ponto a Ponto que vai ao na BandNews neste sábado (0h) e que pode ser revisto domingo (17h30).

De acordo com a pesquisa (Global Entrepreneurship Monitor), realizada em 2015 em parceria com o Sebrae, quase ¼ de todos os brasileiros adultos estão envolvidos com a criação ou estão à frente de uma empresa. Considerado um dos países mais empreendedores do mundo, o país perde fôlego, entretanto, no valor agregado em relação a inovação tecnológica. “A capacitação da mão de obra empreendedora hoje passa por tecnologia e esse é o grande gargalo sério”, ressalta Campos ao destacar a falta de programadores disponíveis no mercado.

A vocação do brasileiro pelo empreendedorismo, por sua vez, estaria ligada à falta de amparo do governo e á falta de estabilidade econômica, que estaria levando as pessoas a quererem abrir seus próprios negócios por necessidade, e não apenas por vocação. Os entraves burocráticos, entretanto, terminam por se transformar em uma tarefa quase hercúlea.

Segundo o professor, algumas medidas como a implantação do Simples e Supersimples, bem como o Micro Empreendedor Individual (MEI) foram boas ações, mas ainda muito tímidas em para representar um impacto significativo no mercado. Para isso, reformas tributárias profundas são mais do que necessárias. “Em países desenvolvidos, o empresário investe 150 anuais para calcular seus impostos; na América Latina, a média é de 300 a 350 horas e no Brasil é mais de 2.500 horas por ano”, elucida Campos, ele mesmo contador por formação.

Um dos segredos para o sucesso é gravitar em torno de seu patrimônio intelectual e networking. “Grande maioria dos empreendedores de alta performance inconscientemente constroem empresas em volta dos recursos sobre os quais têm controle: contatos, experiências, paixões relevantes que gostem de fazer”. Este seria o principal diferencial na capacidade de execução de uma boa ideia.

O entrevistado – Autor do livro ‘O Mito da ideia’, Newton Campos é Doutor em Empreendedorismo pela FGV-SP (2010), MBA pela IE Business School de Madri e pelo IIM Indian Institute of Management de Calcutá (2002) e Contador pela PUC-SP.

Atualmente é Professor de Empreendedorismo da IE Business School e da FGV-SP, Vice-Coordenador do GVcepe Centro de Estudos em Private Equity e Venture Capital da FGV-SP, sócio-Diretor da empresa SoliPh Empreendedorismo e Serviços Educacionais e coordenador do Comitê de Educação e Tecnologia da Associação Brasileira de Startups. Acumula mais de 20 anos de experiência na área de Desenvolvimento de Novos Negócios para os setores de Educação e Tecnologia, mais de três deles como diretor responsável pelos MBAs a distância da IE Business School, os principais do mundo na atualidade.

Ponto a Ponto
Monica Bergamo e Lavareda entrevistam Newton Campos
Sábado (06.08) – 0h
Domingo (07.08): 17h30
Madrugada de quinta para sexta, 11 para 12 de agosto: 3h

Assessoria Ponto a Ponto


0 comentários:

Postar um comentário