sexta-feira, 29 de julho de 2016

Policial civil acusado de matar colega em Natal é preso no sertão de PE



O policial civil Tibério Vinícius Mendes de França, acusado pela morte do também policial civil Iriano Serafim Feitosa, foi preso pela Polícia Federal na cidade de Cabrobó, no sertão de Pernambuco. Iriano foi assassinado a tiros no dia 3 de fevereiro deste ano no conjunto Cidade Satélite, na Zona Sul de Natal. Tibério, de acordo com a PF, foi preso em flagrante portando documento falso.

Os detalhes da prisão de Tibério só serão repassados à imprensa nesta sexta-feira (29). "A prisão está confirmada. Ele se identificou com um documento falso. Não podemos adiantar outros detalhes porque o policial civil ainda está depondo. Todas as informações sobre a prisão serão repassadas nesta sexta", falou ao G1 um policial federal de Pernambuco.

Tibério estava foragido desde o dia 17 de junho, quando fugiu da prisão dentro do mesmo terreno onde funciona o quartel do Bope, a cavalaria e o canil da PM, na Zona Norte da cidade. À época, a Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Norte (Sesed) informou que estava apurando a fuga e que o policial era considerado fugitivo da Justiça.



Ainda de acordo com a Sesed, Tibério foi visto pela última vez durante uma contagem de presos feita pela manhã do dia 17 de junho. Naquele mesmo dia, seria realizada a audiência de instrução e julgamento do policial pelo assassinato de Iriano. A Sesed informou que quando uma equipe da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (Deicor) foi buscá-lo para a audiência, por volta das 10h, Tibério já não estava mais dentro da prisão.


No dia seguinte à fuga, a viúva de Iriano Feitosa disse ao G1 que se sentia medo constante. "O medo é constante, permanente. Ele já matou meu marido e atentou contra a minha vida. Nada o impede de me procurar e tentar mais uma vez me matar. Com esse criminoso solto, quem está presa agora sou eu".

Tibério havia sido preso no dia 22 de março. O policial também é apontado pela Polícia Federal como suspeito de envolvimento com grupos de extermínio, investigação que faz parte da operação Thanatus, deflagrada em dezembro do ano passado.

Relembre o caso

Iriano foi morto no dia 3 de fevereiro quando dirigia o carro dele pela Av. Xavantes, no conjunto Cidade Satélite, Zona Sul de Natal.

Esposa do policial, a advogada Ana Paula Nelson contou que estava no carro no momento do atentado. "Acho que o crime não foi planejado para ser ali, daquela forma. Esse policial se aproveitou de um descuido do meu marido. Ele se aproximou sozinho em uma moto e, sem parar, efetuou vários disparos. Como os tiros foram do lado onde estava o Iriano, ele foi atingido mais vezes e eu acabei sendo baleada duas vezes", lembrou.

Câmeras de segurança registraram a execução. O vídeo (veja acima) mostra o momento em que o o carro de Iriano reduz a velocidade para passar por uma lombada. Um motociclista fica ao lado do carro e efetua vários disparos de arma de fogo. Iriano morreu minutos após dar entrada no pronoto-socorro Clóvis Sarinho, em Natal. A advogada Ana Paula Nelson, viúva de Iriano, foi atingida por dois tiros - um na perna e outro no quadril.

G1 Petrolina


0 comentários:

Postar um comentário