quarta-feira, 27 de julho de 2016

Como a Dinamarca virou referência no combate ao desperdício alimentar


Copenhague está assumindo papel pioneiro num movimento que combina duas grandes preferências nacionais: fazer bem ao meio ambiente e poupar dinheiro. Em setembro próximo, o "reino verde" criará um fundo de incentivo a projetos contra o desperdício de alimentos, com uma verba de 5 milhões de coroas dinamarquesas (670 mil euros).

A reportagem é de Irene Hell e publicada por Deutsche Welle, 26-07-2016.

"Comida é amor. Quando jogamos comida fora, estamos jogando fora amor", afirma a ativista Selina Juul, de 36 anos. O trabalho da ONG Stop Wasting Food (Chega de desperdiçar comida), fundada por ela, contribuiu para que a Dinamarca alcançasse um marco histórico: reduzir seu desperdício de alimentos em um terço em relação a 2010.

Batatas feias e combate aos "UFOs"

Cada vez mais supermercados do país mantêm "stop food waste areas", onde são vendidos, a preços módicos, gêneros alimentícios cujo prazo de validade está prestes a se esgotar. Ou batatas "feias", mas que ainda servem perfeitamente para fazer uma salada.

E essa é apenas uma entre muitas abordagens eficazes. Com um app, a startup Too Good To Go mostra a gente faminta o caminho até refeições que antes não poderiam mais ser vendidas. A partir de uma lista de restaurantes e padarias que estão prestes a fechar, os usuários têm a chance de passar pelos locais e, com sorte, sair com um recipiente cheio de alimentos a preços reduzidos.

Mas o combate ao lixo supérfluo começa na própria geladeira. Assim, Juul apela aos cidadãos que evitem os "UFOs"(unidentifiable frozen object: objeto congelado não identificável). "Um de cada dois dinamarqueses tem um 'UFO' no congelador. Por isso iniciamos uma campanha incentivando os consumidores a, uma vez por mês, comerem os seus 'UFOs'", afirma.

Instrumento para a paz mundial

O fato de o país de 5,7 milhões de habitantes ter mais iniciativas contra o desperdício de gêneros alimentícios do que qualquer outro país europeu se deve, em grande parte, à organização Stop Wasting Food. Sua fundadora, Selina Juul,já se tornou uma espécie de ícone nacional: em 2016 ela recebeu o Womenomics Influencer Award, dedicado a dinamarquesas cuja atividade no mundo dos negócios é considerada modelo. E foi incluída no Who's Who da Dinamarca e nomeada Dinamarquesa do Ano em 2014.

Armada de avental verde e de uma paixão irresistível por alimentos, Juul conseguiu entusiasmar milhões de dinamarqueses. "Trata-se de uma iniciativa bottom-up – de baixo para cima", comenta à DW. "Nós mobilizamos as pessoas, e elas mobilizam a indústria e os supermercados, cantinas e restaurantes."

"É como uma espiral: a coisa cresce, cresce e cresce", descreve a ativista. Ela e seu grupo querem agora começar a atuar em outros países. Seu sonho é que o cuidado com os alimentos venha a se transformar num instrumento para a paz mundial. "Quando o assunto é desperdício de alimentos, todos estão de acordo, sejam ricos ou pobres, de esquerda ou de direita, não importando a cor da pele, nação ou religião. Comida é realmente algo que une os seres humanos." E Juul reforça: "Comida é amor."

Perigo para o meio ambiente

Mas o desperdício de alimentos igualmente ameaça o meio ambiente: a agricultura é responsável por quase um quarto das emissões globais de gases-estufa, ocupa mais de um terço da terra cultivável e consome 70% da água potável do mundo. Diante do esperado crescimento da população mundial para 9,6 bilhões, até 2050, coloca-se a questão de como alimentar todas essas bocas. A redução do desperdício alimentar é a conclusão lógica.

"Na verdade, lixo não é lixo", lembra Selina Juul. "Reduzi-lo é a chave para a sobrevivência futura da civilização humana." O trabalho dela conta com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura(FAO). Segundo a agência da ONU, um terço dos alimentos produzidos em todo o planeta ou se estraga ou é jogado fora. Além de um prejuízo equivalente a 850 bilhões de euros, isso também representa 8% das emissões totais de gases responsáveis pelo efeito-estufa, o equivalente a um país de grande porte. A FAO condena esse "excesso numa época em que quase 1 bilhão de pessoas passam fome".

"O que se mede também se pode gerir"

Para Andrew Steer, presidente e diretor executivo do World Resources Institute, "não há simplesmente motivo para tanta comida assim se perder". Juntamente com diversas instituições da ONU, ONGs e a União Europeia, seu instituto estabeleceu um padrão para medir o desperdício de gêneros alimentícios: o Food Loss and Waste Protocol.

"No momento, a produção alimentar é muito destrutiva", aponta Steer. O World Resources Institute desenvolveu o "protocolo de perda e desperdício de comida" seguindo raciocínio de que "o que se mede também pode ser gerido". "É exatamente como com o protocolo dos gases-estufa, dez anos atrás: para termos sucesso na redução do desperdício alimentar, temos que seguir uma abordagem sistêmica."

O instituto encabeçado por Steer conseguiu convencer dessa filosofia instituições de peso. Entre seus parceiros está o Consumer Goods Forum, uma associação reunindo mais de 400 dos maiores produtores e negociantes de bens de consumo de 70 países, reunindo um faturamento total de 2,5 trilhões de euros.

Além disso, a Organização Mundial dos Agricultores (WFO) e vários Estados apoiam a meta de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, que visa cortar pela metade o desperdício de comida até 2030, assim como reduzir a perda de gêneros alimentícios em escala mundial.

A Dinamarca também participa dessas coalizões. "Desperdício deixa todo o mundo mais pobre", resume o ministro do Exterior Kristian Jensen. No Global Green Growth Forum (3GF) de junho último, em Copenhague, ele se mostrou convencido que essa "nova aliança forte entre atores estatais e privados encontrará uma resposta eficaz ao desafio global do desperdício alimentar".

Fonte: IHU On-Line


0 comentários:

Postar um comentário